Internacionalização – o factor humano é decisivo

Competência intercultural e colaboração como chave para o sucesso

Para ter sucesso internacional graças à competência intercultural e à colaboração estratégica: Para isso, as empresas precisam de uma cultura empresarial inovadora para a internacionalização. Isto pode poupar trabalho, construir conhecimento e motivar os empregados.

Para aumentar os seus lucros, as empresas têm vindo a abrir mercados estrangeiros desde há séculos. A Internet torna isto mais fácil do que nunca, mas também oferece algumas armadilhas. Enquanto a área central de negócios estrangeiros costumava ser as vendas, as empresas no mundo digitalizado têm de fornecer marketing online internacional, localização de websites e gestão de comunidades para mercados linguísticos diferentes. A internacionalização devidamente planeada pode poupar trabalho e aproveitar sinergias.

O termo internacionalização é complexo: política, educação e negócios operam internacionalmente. A internacionalização é frequentemente utilizada no contexto ou como sinónimo de globalização. Na esfera económica, a internacionalização significa a expansão das actividades comerciais através das fronteiras nacionais – por exemplo, como licenciamento, franchising ou abertura de uma filial. As razões para isto podem ser a abertura de novos mercados, a externalização de serviços por razões de custos ou motivos de aquisição de recursos ou conhecimentos.

Internacionalização nas tecnologias da informação e da comunicação (TIC)

Na era digital, o termo internacionalização adquiriu um significado especial: O desenvolvimento de software refere-se assim à programação mais universal possível de um software, aplicação ou sítio web. A abreviatura codificada i18n é frequentemente utilizada – a “internacionalização” inglesa tem 18 letras entre a primeira letra I e a última letra n. A internacionalização destina-se a assegurar a adaptação a outras linguagens e culturas logo na fase de programação.

As línguas diferem em caracteres especiais, formatos numéricos, diferentes comprimentos de texto e peculiaridades gramaticais. Por esta razão, todos os textos devem ser programados em Unicode para evitar problemas de adaptação mais tarde. Deve ser possível traduzir caracteres sem ter de alterar o programa. Especialmente na interface do utilizador (IU), deve certificar-se de que os campos de texto são suficientemente grandes ou variáveis para traduções mais longas.

A internacionalização é um grande desafio para as empresas digitais. Os Start Ups ou PMEs não devem ser adiados por isto – raramente funciona sem problemas na prática. As empresas não podem ter em conta todos os requisitos tecnológicos ou regulamentos legais, uma vez que estes mudam frequentemente. Os produtos não permanecem no estado do protótipo – são adaptados às necessidades dos clientes e aos resultados de vendas. Além disso, a internacionalização só é possível ou mesmo desejável após uma operação bem sucedida no mercado interno.

Comunicação internacional – sem competência intercultural não é possível

Na internacionalização de uma empresa, pessoas de diferentes nacionalidades trabalham em conjunto. Isto pode levar a mal-entendidos interculturais. Estas são frequentemente causadas por dificuldades linguísticas e horizontes de valores diferentes. Para que a abertura dos mercados estrangeiros seja bem sucedida, três pontos são importantes:

1. Ser proficiente numa língua

Um domínio fluente da língua estrangeira é importante, mas não suficiente. Nem todas as línguas são iguais – para além do nível puramente semântico, o nível pragmático – o nível contextual das afirmações linguísticas – é de importância decisiva. Como funciona a saudação ou a morada escrita? Que gestos e fórmulas de fala são necessários numa reunião, que são rudes? Como é que apresento o meu pedido de forma a atingir o meu objectivo sem ser aproveitado ou alienado dos meus parceiros? Que temas são tabu numa reunião?

2. Conhecer os regulamentos legais

Antes de se expandir para um mercado estrangeiro, primeiro pergunte a si mesmo: Os meus interesses comerciais estão suficientemente assegurados pelo sistema político e jurídico? Em países com maior censura da Internet e regimes autoritários como a Turquia, Rússia e China, verifique se o seu próprio negócio contém potencial de conflito. Os regulamentos legais sobre protecção de dados, direitos de autor, patentes e comércio electrónico estão em grande parte harmonizados na UE, mas em países terceiros como os EUA, China ou Rússia existem por vezes diferenças consideráveis. Lembre-se de se informar com antecedência para evitar surpresas. A ignorância não protege, como é bem sabido, contra a punição.

3. Tomar em consideração as particularidades culturais

Existem factos difíceis quando se expande para o estrangeiro: quão fácil ou generalizado é o acesso à Internet de alta velocidade no mercado-alvo? Quais são os dispositivos finais preferidos dos utilizadores? Quais são os sistemas de pagamento mais utilizados? Mas os factos brandos são quase ainda mais importantes: Quais são as expectativas do cliente em relação ao país-alvo? Qual é a importância da religião? Qual é a compreensão dos papéis do género – tradicionais ou liberais? Existem proibições culturais que afectam o meu negócio? Os produtos, serviços e estruturas empresariais devem ser adaptados a estas condições.

Internacionalização estratégica através da colaboração

A internacionalização é um risco que não pode ser totalmente calculado. Mas também oferece enormes oportunidades através de efeitos sinergéticos se souber como utilizar as diferentes perspectivas culturais em seu próprio benefício. Para além de uma estratégia básica fundamental, é necessária uma cultura de erro aberta, que identifique e analise rápida e facilmente as áreas problemáticas. Não se detenha em questões de culpa, mas documente os pontos fracos numa base de dados de conhecimentos. Dessa forma, pode evitá-los da próxima vez. Isto pode ser feito como uma colaboração ordeira através da colaboração.

A gestão sustentável do conhecimento na empresa oferece uma base prática para a formação uniforme de novos empregados no país e no estrangeiro. Também previne erros causados por problemas de comunicação. Muitas vezes a documentação da impressão de trabalhos é adiada para um futuro indefinido. Este é um erro que, a longo prazo, custa tempo e dinheiro. Programas de software modernos para colaboração impedem um esforço adicional de planeamento através de documentação integrada. Colaboração significa trabalhar em conjunto num projecto em tempo real, em que o projecto é transparente e gerível para todos os participantes.

Para que o trabalho de colaboração funcione numa empresa, é necessária uma cultura empresarial democrática com hierarquias planas e respeito mútuo. A gestão colaborativa do conhecimento tem a vantagem de 1. diferentes perspectivas alinharem melhor as operações comerciais com o mercado-alvo (flexibilidade da criação de valor) 2. os empregados são motivados a participar activamente a todos os níveis (qualidade da criação de valor). Apoiar e recompensar o desempenho proactivo em conformidade.

Conclusão Internacionalização

A comunicação intercultural e a gestão integrada do conhecimento são a chave para o sucesso dos modelos de negócios digitais no estrangeiro. Para o conseguir, tem de se mergulhar no desconhecido: Deixe a cultura estrangeira fasciná-lo em vez de o irritar! Quanto mais conhecimento interno tiver sobre o mercado-alvo estrangeiro, melhor o compreende. Como não nativo, raramente se pode fazer isto silenciosamente, pelo que se deve recorrer às estruturas e empregados locais. Com uma confiança básica positiva na cooperação conjunta, a transferência de responsabilidade é bem sucedida. Porque: O que você não pode fazer bem a si próprio, deixe que os outros façam melhor!

Simone Belko, a linguist and European studies scholar, is committed to digital literacy in a connected society. After working as a PR manager and journalist, she was a lead in the localization and community management of international products in the online games industry. She is currently responsible for customer experience and the structuring of IT processes at FinTech FINEXITY.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More