Desenvolvimento do Mindset em 4 passos – a partir de aplicações de mapas sem GPS

Como desenvolver a mentalidade e construir competências futuras

O que uma aplicação de mapa tem a ver com a mentalidade e o desenvolvimento de competências futuras e como as organizações podem aprender com ela.

São 13:56 p.m. em Munique. A funcionária de uma empresa recebe uma chamada de um cliente que é esperada às 17 horas para uma marcação no escritório do cliente em Nuremberga. Isto é viável com uma distância de condução de cerca de 180 km. No entanto, isto significa que ela tem de usar a tarde para chegar ao seu destino – o escritório em Nuremberga. Instintivamente, ela retira o seu smartphone e abre a sua aplicação de mapas. Introduz o endereço do escritório em Nuremberga como seu destino e recebe um cálculo da rota. Segundo a aplicação de mapa, a rota de Munique para Nuremberga demora 7,5 horas e chega a Nuremberga por volta das 21:30 horas. Muito tarde, então, para a reunião das 17:00 horas.

O que aconteceu?

O GPS no smartphone não funcionou, pelo que não foi possível localizar a posição do empregado. Isto significava que a aplicação do mapa conhecia o destino, mas não o ponto de partida de onde o empregado estava a partir. Como resultado, a aplicação de mapa deu-lhe alguma rota padrão que foi armazenada na aplicação de mapa por defeito. Neste caso, a rota de Hamburgo foi sempre guardada para o destino Nuremberga. É claro que esta descrição da rota não ajuda o funcionário.

O que soa completamente ilógico e impraticável neste exemplo, nomeadamente um cálculo de rota sem determinação de localização no início, é muitas vezes o estado normal na aprendizagem empresarial. Particularmente no que diz respeito ao desenvolvimento de futuras competências e mentalidade digital, pode ser observado repetidamente que os objectivos são estabelecidos dentro das organizações e que o conteúdo da aprendizagem é disponibilizado em conformidade. No entanto, a localização individual de cada funcionário é ignorada. Isto não só conduz à frustração entre os aprendentes, como também lhes permite receber conteúdos de aprendizagem que não são apropriados. Mas também leva a um desenvolvimento insuficiente dos funcionários para as mudanças cada vez mais rápidas. Como no exemplo com a aplicação do mapa, uma chegada às 21h30 para um compromisso às 17h00 tem relativamente pouca utilidade, um desenvolvimento de futuras competências e mentalidade que demora demasiado tempo devido à falta de orientação é de pouca utilidade.

Mas como pode funcionar de forma diferente?

4 passos para um desenvolvimento bem sucedido e individualizado da mentalidade

1. Determinar a visão-alvo

Em primeiro lugar, para o desenvolvimento de futuras competências e mentalidade digital, deve ser desenvolvida uma imagem alvo clara para a organização (quase a localização alvo na aplicação do mapa). Para tal, o primeiro passo deve ser a definição das futuras competências e dimensões necessárias da mentalidade digital em geral. No passo seguinte, a imagem alvo deve então ser derivada desta colecção. Esta imagem alvo não tem necessariamente de ser a mesma para toda a organização, mas pode muito bem ser diferente para diferentes departamentos. Por exemplo, um grau diferente de centralidade e criatividade do cliente pode ser ancorado como um objectivo na área de vendas do que na área de controlo. Isto resulta em vários objectivos muito concretos para os funcionários da organização. No entanto, o empregado no exemplo com a aplicação do mapa já estava tão adiantado e ainda não chegou ao destino a tempo. É por isso que o passo 2 é agora crucial.

2. Analisar a localização

Depois das imagens alvo terem sido definidas, é agora necessário fornecer a cada empregado a descrição apropriada do percurso e, assim, o percurso de aprendizagem. Para tal, contudo, o local deve ser determinado a um nível individual. Mesmo que uma área (por exemplo, Vendas) tenha a mesma imagem alvo (no exemplo do mapa: Nuremberga), os funcionários começam todos a partir de locais diferentes. Alguns vêm de Munique, outros de Frankfurt, Zurique e Bremen. Isto porque cada pessoa tem uma mentalidade individual e, portanto, um ponto de partida diferente para a viagem de aprendizagem. No entanto, este ponto de partida deve ser determinado com precisão para o cálculo do itinerário. Para tal, é necessário um instrumento de medição cientificamente válido e objectivo (no exemplo: o sinal GPS). Este instrumento de medição é um diagnóstico válido no campo da mentalidade, que é rápido e fácil de usar (por exemplo, para a mentalidade digital) e produz assim um resultado objectivo como uma determinação de localização.

3. Calcular o percurso até ao destino

Com o conhecimento da imagem do alvo e da localização de cada empregado, o percurso exacto até ao alvo pode agora ser calculado. Esta rota pode parecer diferente para cada empregado e levar diferentes períodos de tempo. No entanto, todas as rotas estão unidas pelo seu foco no destino e na sua individualização. Semelhante à mistura de meios de transporte utilizados para a rota calculada nas aplicações de mapas, os percursos de aprendizagem individualizados também têm diferentes formatos de aprendizagem integrados. Isto significa que o desenvolvimento não ocorre apenas através de oficinas tradicionais, mas sim a partir de uma mistura de vídeos, textos, podcasts, sessões de reflexão, aprendizagens sociais e oficinas. Esta mistura conduz a um sucesso de aprendizagem mais sustentável, uma vez que o formato de aprendizagem presta sempre atenção ao passo actual do percurso e pode também acomodar diferentes tipos de aprendizagem.

4. Verificação contínua da localização actual

Entretanto, os empregados começaram o seu percurso de aprendizagem individualizado e estão a desenvolver-se na direcção da imagem-alvo. Para assegurar que isto também seja bem sucedido a longo prazo, o local deve ser revisto novamente de tempos a tempos, utilizando diagnósticos válidos para que possam ser feitos ajustamentos ao percurso, se necessário. Esta relocalização leva ao início de uma verdadeira aprendizagem ao longo da vida e de um desenvolvimento contínuo.

Com estes 4 passos, as empresas são capazes de individualizar o desenvolvimento da mentalidade e das competências futuras dos empregados e assegurar um empoderamento sustentável e bem sucedido. Isto porque a frustração em relação a conteúdos de aprendizagem incorrectos e inadequados diminui através da individualização e, assim, aumenta o compromisso de aprendizagem a longo prazo. No final, é uma situação vantajosa para todos os empregados e organizações, ambos com poder para um futuro de sucesso.

Mit dem Fokus auf dem digitalen Mindset begleitet Julian Knorr Unternehmen im Rahmen zukunftsgerichteter Organisations- und Personalentwicklung und innovativer Recruiting Lösungen. Mit dem Digital Competence Indicator (DCI) entwickelte er mit seinem Unternehmen hierfür ein wichtiges Tool, um das digitale Mindset der Mitarbeiter messbar zu machen. Er ist Gründer & Vorstand der ONESTOPTRANSFORMATION AG und Gründer & Geschäftsführer der Agile Kitchen GmbH. Zudem ist er Keynote Speaker und Business School Dozent.

Comentários estão fechados.