Causas da inflação e 6 estratégias para as empresas lidarem com ela

O que é a inflação e o que pode fazer uma empresa para lidar com a turbulência económica e o aumento dos preços

É importante que as empresas compreendam as consequências de uma economia em contracção enquanto a inflação faz subir os preços. Neste guia, encontrará uma introdução à inflação e 6 estratégias para lidar com a inflação e as mudanças na dinâmica do mercado.

A inflação corrói o poder de compra dos clientes e afecta as empresas, e é a medida dos aumentos de preços durante um determinado período. O aumento dos preços resulta num menor número de pessoas capazes de comprar determinados bens ou de gastar uma parte maior dos seus rendimentos na compra desses bens e serviços. Mas a inflação é também natural e resulta normalmente de um aumento da produtividade.

Mas desta vez, os efeitos são muito mais amplos e de longo alcance e sentidos por muitos lados. A política monetária expansionista dos bancos centrais foi introduzida para estimular o crescimento da economia doméstica, as cadeias de abastecimento globais entraram em colapso, e o crescimento quase ilimitado dos mercados bolsistas fez subir os preços à medida que as expectativas de lucros futuros eram inflacionadas.

Embora a inflação seja normal e normalmente devido a um aumento da produtividade, muitos factores contribuíram para o aumento da inflação. São também a razão pela qual a inflação não vai parar tão cedo.

Compreender as causas da Inflação

Muitas causas contribuem para o aumento da inflação. Algumas são macroeconómicas, e outras estão a nível microeconómico. Isto significa que existem vários níveis em que a economia global e a capacidade da economia para fornecer bens e serviços (macroeconómicos), bem como as motivações específicas da indústria ou internas da empresa (microeconomia), desempenham um papel na evolução dos preços.

Causas macroeconómicas da inflação

  • A procura de bens e serviços excede os níveis pré-pandémicos.
  • As restrições e os bloqueios de circulação a nível mundial resultam em capacidades de produção e cadeias de fornecimento instáveis.
  • A estratégia Zero-Covid da China, com frequentes lockdowns, está a apertar ainda mais as cadeias de abastecimento internacionais, levando à escassez de bens e ao aumento dos preços.
  • Tensões globais e pressões políticas de sanções e restrições levam a rupturas nas cadeias de abastecimento e conduzem a faltas
  • O proteccionismo e as tarifas de importação aumentam os preços

Causas Microeconómicas da Inflação

  • A falta de talento aumenta a concorrência; por conseguinte, os preços dos talentos estão a aumentar, bem como os custos para as empresas, o que leva a um aumento ainda maior dos preços
  • Os aumentos de preços devido a restrições da cadeia de fornecimento e à evolução macroeconómica levam as empresas a aumentar os preços. Muitas vezes as alterações de preços são maiores do que o necessário, levando a uma inflação acelerada.
  • A escassez microeconómica pode também levar a um aumento dos preços. Quando as indústrias não querem deliberadamente aumentar a produção para satisfazer o aumento da procura, pois podem não querer expor-se a custos adicionais quando a procura diminui, ou querem limitar a oferta para aumentar artificialmente os preços e a margem
  • Preços-Opportunismo – Se as empresas não são directamente afectadas pela cadeia de abastecimento ou outras razões, vêem que os preços estão a aumentar e aproveitam a oportunidade de aumentar os seus preços para aumentar as margens de lucro

Os riscos globais do proteccionismo

Como mencionado anteriormente, uma das razões macroeconómicas para o aumento dos preços é o crescente proteccionismo dos países. Muitos viram que a cadeia global de abastecimento tem tido dificuldades de adaptação à situação da COVID; por conseguinte, muitas forças políticas estão a tentar tornar-se auto-suficientes e independentes. Isto também leva à descentralização e a uma produção menos eficiente.

A globalização tirou partido de economias de escala que permitiram a alguns produtores aumentar a produção, reduzir custos e abastecer mercados maiores (a nível mundial) com o seu produto. medida que as tarifas de importação aumentam para proteger a produção local menos eficiente e outras medidas proteccionistas, os preços no utilizador final também aumentarão.

Outra questão que aumenta os preços é o proteccionismo combinado com as despesas militares. Uma vez que a despesa militar não é utilizada para despesas económicas reais, terá um impacto negativo na economia em geral e aumentará os impostos, o que poderá levar a novos aumentos de preços à medida que menos dinheiro do orçamento governamental for gasto na economia.

6 Estratégias para as empresas para combater a inflação

Dados os últimos números da inflação, muito provavelmente não veremos quaisquer sinais de um declínio da inflação num futuro próximo. Com o risco acrescido de uma bolha económica rebentar, veríamos também um rápido declínio num curto período de tempo. Assim, as empresas precisam de agir e reagir às mudanças, mas também de se preparar para o pior quando se trata de desenvolvimento económico.

1. Compreender o que se está a passar no mundo

Tente acompanhar regularmente os desenvolvimentos para ver como é o clima internacional nos mercados. Mercados bolsistas, preços de mercadorias (tente compreender também as mercadorias relacionadas que o seu fornecedor necessita para a sua produção), ou mesmo dados do mercado de trabalho podem ser bons indicadores principais a seguir e monitorizar. Tente prestar especial atenção a estes desenvolvimentos e políticas e discussões sobre alianças internacionais, pois o proteccionismo poderia trazer a política de volta para as variáveis da sua cadeia de valor.

Compreenda os desenvolvimentos globais relevantes para si E para os seus fornecedores.

2. Compreenda muito bem as suas finanças

Aprimore a sua estrutura financeira para ter prazos de vencimento mais longos. Analise a sua vulnerabilidade a aquisições externas, tente estruturar o seu capital próprio e acções preferenciais, e garanta empréstimos a longo prazo dos seus bancos e mesmo dos seus fornecedores. Outras formas de se armar incluem a análise da dívida convertível e a obtenção de garantias para empréstimos pendentes. Quando se trata de planeamento financeiro, a incerteza aumenta. Também tem de considerar que taxas de juro mais elevadas podem alterar significativamente os números do seu plano de negócios.

Tente manter uma almofada confortável, para não ficar exposto.

3. Compreender e mapear toda a cadeia de valor

É importante que uma empresa compreenda toda a cadeia de fornecimento (ou cadeia de valor) e, em particular, examine a exposição a choques externos na oferta e na procura. Este entendimento inclui também a definição de riscos potenciais directa ou indirectamente relacionados com os fornecedores. Pode ser necessário manter níveis de inventário adequados e desenvolver estratégias de aprovisionamento alternativo quando os stocks se esgotam, e o aprovisionamento just-in-time se desfaz.

4. Preparar atempadamente a retenção e comunicação dos funcionários

Não se limite a olhar para os fornecedores externos e a cadeia de valor da sua empresa. Os empregados são um factor importante, e é importante manter o moral elevado e evitar a sua saída ou mudança de emprego. Especialmente em tempos de incerteza, os empregados perdem produtividade, e contratar e formar novos empregados é extremamente caro. Por conseguinte, é muito importante manter o moral elevado e os empregados da empresa serem operacionalmente flexíveis, poupar custos, e evitar escassez de mão-de-obra. Exemplos de um ambiente mais favorável aos empregados incluem a guarda de crianças, opções de escritório em casa, horários de trabalho flexíveis, ou mesmo férias invulgares, quando a carga de trabalho pode diminuir.

Concentre-se no bem-estar dos seus empregados, mantenha o moral elevado, e reduza as flutuações dos empregados.

5. Adapte a sua estratégia

Em tempos de crescimento extensivo e margens de lucro elevadas, investir no futuro, explorar novas oportunidades e actividades, e investir numa visão a longo prazo são importantes. Suponhamos que as perspectivas de receitas e desenvolvimento económico geral são incertas. Neste caso, é importante racionalizar as actividades e agir mais no modo de sobrevivência a curto prazo.

Racionalizar e racionalizar os seus projectos, segmentos, actividades, investimentos e linhas de produtos para se reorientarem para os seus valores fundamentais e emergir mais forte quando a economia retoma. Tenha em mente a sua estratégia a longo prazo, mas tente racionalizar sempre que possível sem sacrificar iniciativas chave para o core business futuro. É também uma boa oportunidade para erradicar projectos promissores e menos bem sucedidos.

Passe do investimento diversificado a longo prazo para o enfoque a curto prazo em áreas nucleares.

6. Não utilizar o “Eixo Universal”.

Quando confrontadas com desafios económicos, as empresas tendem a utilizar o “Eixo Universal” para cortar gastos. Tudo, desde salários, contagem de efectivos, despesas com I&D, aquisição de talentos e formação de funcionários, até à publicidade e capacidade de vendas, é cortado. Mas estas medidas duras podem ter muitos impactos, desde os fornecedores aos clientes, passando pela moral dos empregados e até mesmo a capacidade de reter talentos-chave dentro da empresa. A criação de cartões de pontuação para afinar o crescimento do negócio e considerar a rentabilidade e as oportunidades futuras pode ajudar a tomar melhores decisões. Por conseguinte, recomendo a análise de métricas específicas:

  • Calcular o retorno do investimento (ROI) com base nos valores actuais do mercado, não em valores históricos
  • Factor de riscos e incertezas como a falta de talento, cadeia de fornecimento, logística, ou mesmo a capacidade dos clientes para pagar este produto/serviço no futuro
  • Foco em ciclos rápidos de funcionamento em dinheiro – este é o tempo entre o investimento no produto/serviço até o dinheiro do cliente chegar à conta (mais curto é melhor)
  • Os concorrentes e o seu comportamento – tente factorar a forma como a competição se move e aborda as questões. Talvez surjam novas oportunidades de mercado como alguma redução de escala ou redução de despesas
  • Factor no mercado total abordável e uma quota de mercado realista que poderia ser alcançada
  • Potencial de crescimento a curto, médio e longo prazo

Criar cartões de pontuação para toda a empresa para avaliar os melhores projectos e ideias para se concentrar neles

Pensamentos finais e conclusão

Como empresa, é difícil operar em tempos em que os mercados estão a encolher, a inflação e os estrangulamentos da cadeia de abastecimento estão a afectar as operações do dia-a-dia, e as perspectivas são incertas. É muito importante compreender claramente os aspectos-chave do negócio, desde a aquisição de talentos, retenção de empregados, finanças e evolução do mercado até ao panorama político global.

Nestes tempos, é bom compreender melhor quais os projectos que acrescentam valor e quais as actividades essenciais do negócio que necessitam de mais apoio. É também uma boa ideia compreender onde reforçar o negócio e concentrar-se mais em oportunidades futuras e áreas de crescimento e talvez também em modelos de negócios digitais escaláveis.

CEO & Founder of MoreThanDigital. Serial entrepreneur since he successfully founded his first companies at the age of 13. He has always questioned the "status quo" and is committed to innovation, disruption and new ideas. As International keynote speaker, consultant for companies and governments & states, lecturer and published digital transformation expert, Benjamin tries to advance the topics of digitalization, digital transformation and innovation internationally.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More