9 razões pelas quais os governos falham na transformação digital

Há muitas razões que dificultam a inovação e o pensamento futuro nos nossos governos

O que acontece quando nada acontece? Os governos são sistemas extremamente complexos e há grandes razões pelas quais a maioria dos governos falham na transformação digital.

Ouvimos constantemente falar de como a tecnologia muda o mundo; como surgem novos modelos de negócio e o que todos nós precisamos de fazer para acompanhar o ritmo rápido destas mudanças. O mesmo se passou com as narrativas básicas da economia. Desde que a grande tecnologia (Apple, Google, Facebook, etc.) entrou em jogo, desafiámos muitas das nossas antigas suposições, e aprendemos que com a era da vida digital, das redes sociais e da interconectividade o mundo jogava juntamente com outras regras.

Mas será que os nossos governos o acompanham? – Eu diria um NÃO definitivo! Nos últimos anos, tenho visto muitos governos e agências governamentais a tentarem transformar-se. Mas na maioria das vezes descobri que há sempre os mesmos problemas que ocorrem e as mesmas narrativas básicas subjacentes que destroem todos os esforços de transformação. É por isso que esboço agora 9 dos assassinos da transformação digital mais frequentemente encontrados para os governos.

9 razões pelas quais os governos falham no digital

1. Avesso ao risco – “Sempre o fizemos dessa forma”.

Eu sei, isto não é específico dos governos, mas é um tema muito preocupante. Devido aos sistemas em vigor, vemos uma adopção muito lenta, uma vez que a tomada de riscos não é favorecida pelas pessoas. O sistema favorece resultados estáveis e nenhum desafio ao status quo. Porque cada afastamento do “normal” é então um potencial de fracasso e também um grande risco de reeleições, carreiras pessoais próprias e talvez também bónus que foram feitos para objectivos diferentes.

2. Forte influência de lobbies

Não é surpresa, que isto esteja também na lista. Vemos isso muito bem quando são discutidos temas como “energia verde”, “sustentabilidade” e até “digitalização”. O poder do lobby está sempre na velha economia, a representação de empresas novas e perturbadoras é quase inexistente e por isso a principal influência vem das organizações existentes. Estas empresas fazem tudo para que o seu interesse se concretize, pelo que nada muda. É por isso que muito do poder governamental é transferido para o interesse do lobby. Uma vez que o sistema depende, na sua maioria, do tempo destas actividades de lobby (financiamento de partidos, lugares no conselho de administração, acesso a empregos, etc.), este é um forte incentivo para deixar as coisas como estão e nunca mudar, mesmo isso faria mais sentido.

3. Pessoal subqualificado

Como em qualquer indústria, o conjunto de competências necessárias está prestes a mudar drasticamente. Isto também é verdade nos governos e ministérios. Mas devido à dinâmica especial das administrações públicas, é difícil melhorar a gestão ou substituí-la quando necessário. Assim, as pessoas podem sentir-se ameaçadas pelas mudanças e a sua motivação intrínseca é manter a posição e o estatuto actuais, pelo que devem bloquear todas as iniciativas que impulsionem novas perspectivas e a utilização de novas tecnologias. Isto leva a incentivos errados dentro do sistema que levam a falhas imediatas quando se altera o status quo.

4. “Política de “empresa

Como mencionado anteriormente, as pessoas que estão a bloquear a mudança são a fonte chave para uma transformação falhada. É a falta de competências e a falta de compreensão que as assusta e o papel na política da empresa. Normalmente formam fortes aliados dentro do sistema para influenciar sistematicamente as decisões tomadas ou também os resultados de certos projectos. Como este campo minado político é especialmente difícil de enfrentar, é muito importante descobrir os principais decisores e os seus receios sobre a mudança. Estes receios podem radicar desde receios existenciais a receios de perspectiva (sem promoção, etc.) até aos impactos financeiros pessoais.

5. O poder de fingir

Há décadas que existem “agendas digitais”, “roteiros digitais” ou seja lá o que for, de muitos governos de todo o mundo. O que é triste é que estas promessas são feitas na sua maioria apenas por razões políticas e para o estabelecimento de agendas para estabelecer um partido como uma “força motriz para o futuro”, mas não são uma estratégia para realmente mudar alguma coisa. Esta falta de compromisso combinada com o poder dos meios de comunicação social para se “satisfazer” com uma nova manchete, leva a um foco em “projectos de vitrine” em vez de abordar os problemas reais.

Vemos essa mentalidade de “show-off-projects” em quase todo o mundo, onde os governos começam com algum projecto de silos que tem uma opinião pública forte e é fácil de comunicar. O problema com esta abordagem é que há muitas promessas combinadas com uma constante sub-entrega e uma enorme perda de dinheiro. A maioria dos sistemas são construídos como uma ilha e quase sempre falta uma imagem holística.

6. Federalismo – “Estamos melhor aqui”.

Nos meus muitos anos a falar e a aconselhar governos e ministérios em todo o mundo, vivi um fenómeno que está realmente a desperdiçar tanto dinheiro sem qualquer resultado – o federalismo para projectos. Há toneladas de projectos que cada país, cada região ou mesmo, por vezes, cada cidade precisa de “reinventar”. A falta de uma abordagem holística e a falta de combinação de recursos leva a muitas soluções isoladas, um desperdício de dinheiro, mas também taxas de adopção muito baixas, uma vez que o efeito de rede nunca irá realmente funcionar.

Especialmente quando se olham para soluções que necessitam de novas soluções disruptivas e também o poder dos ecossistemas digitais, esta falta de abordagem holística dificulta o crescimento no quadro geral.

7. Foco na “Conformidade Legal” em vez de “Sucesso do Cliente”.

O que acontece quando as soluções só são desenvolvidas com o medo de problemas em mente? – Elas deixam de existir.

Exactamente isto é verdade quando se trata de inovação na maioria das agências governamentais. O medo de problemas legais e de armadilhas legais é tão grande que o resultado e os ganhos para o seu “cliente”, nós, povo, ficamos totalmente de fora. Concentram-se em produzir soluções legalmente aceitáveis, mas esquecem-se do que o cliente realmente quer e quando as deve utilizar. Esta é uma visão errada da solução, e deveria ser alterada com uma visão “centrada no cliente” sobre o problema.

Não se trata de comportamento ilegal, mas especialmente de uma nova forma de pensar. Um processo em que o problema é abordado e em que as soluções são brainstormed antes que o “medo do legal” bloqueie toda a inovação. O legal deve ser uma parte do processo, mas vem depois de encontrar as soluções certas sem bloquear o próprio processo de encontrar soluções.

8. Baixas taxas de adopção – âmbitos errados

“Customer Centricity” é um enorme problema, tal como já foi referido anteriormente. Isto leva também a taxas de adopção lentas e, na maioria das vezes, até ao cancelamento do projecto. Este é um círculo vicioso, uma vez que mais projectos com falhas dão aos decisores mais “poder” ao dizer “sempre o fizemos assim, não mudem nada, o digital não está a funcionar”.

A baixa adopção não se deve principalmente à falta de dinheiro para marketing ou apoio do exterior, uma vez que a maioria dos projectos recebe um forte apoio de outras partes envolvidas. É devido aos equívocos em torno do que os cidadãos querem e de como esta solução pode proporcionar um valor acrescentado para muitas áreas e não apenas para 1 problema específico.

9. Falta de um plano de ecossistema digital

A descoberta mais fascinante foi que mal existe um plano para criar um ecossistema governamental. Vemos tais sistemas serem implementados em alguns países de todo o mundo, mas ainda é bastante preocupante ver quantos países carecem de inovação e os planos do ecossistema digital governamental para incorporar efectivamente os serviços digitais como o novo padrão.

Este elo em falta e a abordagem holística em falta são, na maioria das vezes, projectos condenados desde o início. Portanto, mesmo antes de iniciar um projecto, isto pode ser um forte indicador de que nenhum dos pontos acima mencionados precisa de estar presente para indicar que os projectos de transformação irão falhar.

É necessária uma nova forma de pensar

A política costumava ser um modelo reactivo. Tem de ser má antes de poder ser boa ou mesmo de as pessoas falarem sobre ela. Mas precisamos de pensar de forma diferente sobre o papel do governo. Onde estão as externalidades no futuro, onde estão a evoluir as ineficiências do mercado e o que é o melhor para toda a sociedade. A inovação digital e, especialmente, os novos modelos de negócio perturbadores trazem muita sorte a um número limitado de empresas e pessoas, o aquecimento global irá afectar países de todo o globo, a pesca excessiva e o esgotamento de recursos afectarão todas as economias do mundo. A competição global por impostos baixos, as evasões de emissões de carbono, a escassez global de recursos, e também os problemas sociais, estão no tijolo para se tornarem uma ameaça real à estabilidade do mundo.

Quando queremos evitar o caos, precisamos que os governos liderem o caminho e não esperem até ser demasiado tarde. A colaboração em grande escala, internacionalmente e com muitos interessados, e também o pensamento holístico global são a chave para um futuro de sucesso e prosperidade.

Sistemas complexos em mudança – 3 Passos chave para enfrentar problemas complexos

Perspectivas sobre governos e transformação digital

Vemos que existe uma longa lista de coisas que podem correr mal ao tentar transformar os governos e a forma como servem os seus cidadãos. Mudar estruturas tão complexas é uma tarefa que normalmente não é executada apenas a partir do interior.

Tem de haver uma mudança estrutural na forma como os governos, ministérios e agências trabalham em conjunto e quais devem ser os principais incentivos. A tecnologia está à nossa volta e não só as empresas precisam de mudar, mas também os governos. Apesar das potenciais economias de custos e da melhor adopção para uma economia em mudança, é também importante ter esta gestão governamental da mudança a funcionar quando precisamos de enfrentar novos desafios do futuro, como uma força de trabalho hipermóvel, cadeias de valor on line em todo o mundo, sustentabilidade, alocação de recursos, segurança social e muito mais.

CEO & Founder of MoreThanDigital. Serial entrepreneur since he successfully founded his first companies at the age of 13. He has always questioned the "status quo" and is committed to innovation, disruption and new ideas. As International keynote speaker, consultant for companies and governments & states, lecturer and published digital transformation expert, Benjamin tries to advance the topics of digitalization, digital transformation and innovation internationally.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More