Economia Criadora – como capitalizar a autenticidade

Envolver uma audiência de milhões de pessoas com conteúdos digitais

A Economia Criadora é uma megatendência. Compete com empresas estabelecidas, eliminando intermediários com modelos de negócio inovadores peer-to-peer. Para serem bem sucedidos, os criadores precisam de ser versáteis.

Economia Criadora: Um ecossistema imersivo

Colocar as pessoas no centro da tecnologia é a grande procura da época. Marc Zuckerberg quer alcançar isto com a sua visão do Metaverso, desencadeando “uma economia criativa massivamente maior do que a limitada pelas plataformas actuais e as suas políticas”, como escreve na sua “Founder’s Letter” da empresa recém-marcada “Meta”. Ao fazê-lo, salienta a importância da privacidade e segurança, normas abertas e interoperabilidade na sua visão de um ecossistema imersivo onde “mais pessoas podem participar no futuro e beneficiar não só como consumidores mas também como criadores”.

Belas palavras, grandes ambições. Mas de onde vem o crescente interesse na Economia Criadora? Embora o Facebook ainda seja a rede mais utilizada a nível mundial, a marca está a enfraquecer após o seu crescimento constante nos últimos anos devido a escândalos em torno de notícias falsas e discursos de ódio. Zuckerberg compreendeu que as plataformas orientadas para o utilizador não valem nada sem conteúdo. E aqueles que produzem conteúdos valiosos preferem ir para onde não são censurados mas pagos, ou preferem fundar a sua própria empresa directamente a fim de serem mais livres nas suas decisões.

O que é a Economia Criadora?

A Economia Criadora descreve um grande grupo de criadores independentes que constroem empresas digitais autónomas e autónomas, com base na tecnologia. Produzem vídeos, textos, imagens, podcasts, jogos, webinars, bens digitais e distribuem-nos em linha. A escalabilidade da tecnologia ajuda a reduzir os custos de produção e a tornar a distribuição e comercialização mais baratas e fáceis. O software assume frequentemente as tarefas de vários empregados, tais como em marketing ou atendimento ao cliente. O fundador pode gerir todo o seu negócio sozinho ou trabalhar com um pequeno número de empreiteiros ou freelancers para o apoiar.

Mais de 50 milhões de pessoas descrevem-se a si próprias como “criadores”. As crianças de hoje não querem ser actores ou atletas, elas querem ser estrelas do YouTube. Porque já não é profissional, formatos elaborados de empresas de meios de comunicação que encontram mais seguidores. O conteúdo popular é autêntico, relatos de cidadãos comuns que vivem entusiasticamente a sua paixão e a partilham com outros. Porque é que isto é tão atractivo? Na sociedade pós-industrial, damos mais valor ao sentimento de realização nos nossos empregos e ao controlo sobre a forma como passamos o nosso tempo. Os criativos realizam o seu próprio projecto e são modelos para os seus fãs ao fazerem aquilo que adoram.

Comunidades globais inventam novos modelos de negócio

O acesso às comunidades globais está a mudar a forma como comunicamos. A economia criadora está a competir com empresas e modelos de negócio estabelecidos. Enquanto a automação e a robótica estão a avançar e a acabar com antigas descrições de trabalho, há cerca de 10 anos que tem vindo a ter lugar uma revolução silenciosa na indústria criativa. A mudança para um edifício comercial centrado no público coloca o público do criativo no centro. Os criativos estão a ganhar poder no ecossistema dos meios de comunicação social, uma vez que os fãs querem ligar-se a personalidades individuais e não a editores.

Isto cria novas oportunidades de carreira na economia criadora. Os criadores de conteúdos – influenciadores, bloggers, vloggers, jornalistas, autores, músicos – estão a inventar as suas próprias marcas e produtos para comercializar os seus conteúdos e criações. Plataformas como YouTube, Instagram, Twitch, WordPress, Tumblr ou Etsy oferecem aos criadores a oportunidade de rentabilizar o seu conteúdo. Os modelos de negócio variam desde o marketing de afiliação, partilha de receitas ou modelos baseados em assinaturas até modelos baseados em fundos. Outras fontes de rendimento para os criativos incluem conteúdos patrocinados, colocação de produtos, mercadorias, eventos virtuais ou ao vivo, cursos online ou consultoria.

Criadores de conteúdo: Uma lufada de ar fresco para a paisagem mediática estabelecida

Os criadores de conteúdos tornaram-se um factor socialmente relevante com influência crescente. Acrescentam novas perspectivas ao panorama mediático já estabelecido. Os Globetrotters e nómadas digitais viajam pelo mundo e mostram as suas ideias pessoais em relatórios da vida real. Assim, proporcionam antecedentes socioculturais e histórias que não são abrangidas pela corrente dominante nesta abundância e profundidade.

Amadores e especialistas em passatempos publicam comentários autênticos de produtos adequados ao uso quotidiano ou dão dicas de bricolage usando métodos simples e baratos. Assim, não são apenas concorrência para canais de marketing profissionais, mas também influenciam a percepção geral do produto de baixo para cima.

Autores independentes e cientistas freelance publicam pré-impressões de investigação em portais públicos e trocam informações sobre a sua investigação em tempo real, em vez de dependerem de longos processos de publicação de revistas. Este tipo de comunicação está a mudar significativamente a comunidade científica e a forçar os institutos estabelecidos a repensar.

A receita do sucesso: Seja criativo!

Para serem bem sucedidos, os criativos precisam de ser talentosos em tudo. São inventores, contadores de histórias, gestores de empresas, treinadores, facilitadores e líderes das suas comunidades de fãs. Não basta recolher ideias e desenvolver conteúdos envolventes e enquadrá-los na estratégia global de marketing. Os criadores de conteúdos precisam de saber que tipo de conteúdo é melhor para o seu público-alvo, a plataforma que está a utilizar e a sua estratégia global. Precisam também de ter um conhecimento básico do conteúdo que funciona em que plataformas. É também necessário fazer constantemente a sua própria investigação para encontrar bons conteúdos e identificar tendências.

O conteúdo publicado deve ajustar-se estrategicamente ao objectivo geral de se posicionar como um influenciador e ganhar atenção. É aconselhável tornar-se uma autoridade reconhecida num campo escolhido ou num nicho especializado. Desta forma, um criador de conteúdos pode apresentá-los a potenciais clientes que queiram contratar ou consultar um perito.

Nem todos perseguem a criação de conteúdos como um trabalho a tempo inteiro. Muitos começam a fazê-lo como um hobby no seu tempo livre ou como um projecto a tempo parcial ao lado de um trabalho regular. O importante é que seja divertido e que se sinta bem. Depois pode também transmitir o entusiasmo necessário para o tema que lhe interessa.

Outlook Creator Economy: Paixão, Qualidade e Confiança

A Economia Criadora recebeu um impulso com a pandemia. Em tempos de escritórios em casa e lockdowns, o conteúdo digital tornou-se mais popular. As soluções de cadeia de bloqueio facilitam aos criadores a protecção dos seus direitos e também das receitas após a era da pirataria na Internet. Isto reflecte-se num novo desejo de autenticidade e de activos digitais únicos, o que também explica o actual hype em torno do NFT (non–fungible tokens) – activos digitais únicos que estão a gerar inovações espantosas, por um lado, e coleccionadores entusiastas, por outro, especialmente no campo da arte digital.

O futuro irá apresentar-nos um novo modelo de propriedade colectiva e de clãs sociais definidos por interesses e paixões comuns. O que é revolucionário nesta nova economia criadora é que ela coloca o controlo financeiro nas mãos dos criadores de conteúdos a longo prazo – desta forma eles podem contornar intermediários tradicionais, tais como marcas empresariais, agências ou mesmo plataformas online. Ao serem directamente apoiados pelos seus apoiantes locais, libertam-se da pressão das expectativas do mercado ou de algoritmos não transparentes.

Como resultado, artistas e criadores ganham mais influência e soberania sobre o seu conteúdo, o que favorece a qualidade. Os criadores de conteúdos também ganham liberdade adicional sobre se e que marcas escolhem para o marketing influente. Se puderem escolher os seus próprios patrocinadores, isto, por sua vez, aumenta a confiança da base de fãs na autenticidade das recomendações.

Simone Belko, a linguist and European studies scholar, is committed to digital literacy in a connected society. She worked as PR manager, journalist and cultural trainer in Germany and abroad. As a product manager in the online games and FinTech industry she was responsable for localisation, web/ app development and marketing of international products.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More