Insights Banner

A cultura do erro como base para uma transformação digital bem sucedida

Definindo o que é a cultura do erro e porque é tão central para a inovação e a mudança.

Uma cultura de erros que funcione bem pode ajudar a uma transformação digital e também promover a inovação. Porque é tão importante e o que significa a cultura de erro para as empresas, explicamos aqui.

Já escrevemos sobre como a cultura da empresa é um dos elementos mais importantes para a transformação digital. Uma parte essencial disto é uma cultura de erros que funciona bem. A transformação digital requer maior flexibilidade, vontade de mudança e também vontade de assumir riscos.

Na transformação digital, as empresas têm de aprender que não existem soluções perfeitas, mas que é preciso aprender a melhorar. Especialmente nos países de língua alemã, é ainda generalizado que as empresas preferem planear durante muito tempo, preparar-se por muito tempo e depois procurar a solução impecável. Mas as tecnologias digitais aumentaram a velocidade e por isso as soluções têm de ser testadas e implementadas rápida e eficientemente.

Nova cultura empresarial digital através de testes e experimentação

Julgamento e erro – Este princípio é central para uma cultura empresarial de sucesso e para a inovação. As empresas precisam de se afastar dos “inventores silenciosos” e falar mais frequentemente com os seus clientes, por exemplo, usar métodos de pensamento de design, e criar hipóteses que depois testam com os seus clientes. As hipóteses podem ser transformadas em protótipos e os testes com os utilizadores podem proporcionar muita experiência. Mas isto requer coragem para mudar e também a liberdade para cometer erros.

A falta de cultura de erro não é apenas um problema para a transformação digital, mas também uma das maiores fraquezas do mundo de língua alemã quando se trata de inovação. As empresas com uma cultura de erro funcional e abordagens ágeis adaptam-se mais rapidamente às novas tecnologias e podem, portanto, reagir mais rapidamente no mercado. É exactamente por isso que gigantes tecnológicos como a Microsoft, Google, etc. construíram esta cultura de erro na sua filosofia empresarial. No processo, muitas empresas também o pressionam tanto que simplesmente querem produzir erros a fim de aprenderem com eles. Tal como o ditado “I never lose. I either win or learn.” – Nelson Mandela

Mas que elementos constituem uma boa cultura de erros e como se pode construir um? Mostramos-lhe os pontos centrais de uma cultura de erro funcional.

Factores para uma boa cultura de erros na empresa

Alguns elementos básicos caracterizam uma cultura de erro bem sucedida e assim promovem o empenho dos empregados e a criatividade das abordagens de solução.

1. “Faça-o simplesmente”

Para realmente tirar o máximo proveito deste conceito, é preciso dar aos empregados a liberdade de apenas fazer alguma coisa. Para tal, deve atribuir recursos aos empregados e também dar-lhes conhecimentos básicos sobre tecnologia, geração de ideias e também contactos com os clientes. O objectivo é sair da zona de conforto e testar novas ideias. Isto encorajará os empregados a implementar as suas ideias, testá-las e aprender com quaisquer erros. Isto permite-lhes aprender rapidamente com os erros e dá-lhes a experiência necessária para desenvolverem melhores soluções.

2. Aprender uns com os outros

Uma cultura de erro funcional deve também partilhar experiências. Deve ser criado um ambiente onde os empregados também partilhem os seus erros com a equipa, para que outros possam beneficiar deles. Por exemplo, a Microsoft organiza uma conversa todas as sextas-feiras sobre o que poderia ser feito melhor e como. Esta forma aberta e natural de lidar com os erros deve ajudar as pessoas a ousarem mais e a experimentarem algo. A troca de informações deve também ajudar a acelerar os processos e assegurar que os mesmos erros não sejam cometidos por outros.

3. Pedir e dar feedback

A fim de obter feedback rapidamente e de ver os seus erros, é preciso também exigir e dar feedback activamente. É importante ser confrontado com o feedback o mais rapidamente possível e o mais cedo possível. Quanto mais cedo e mais construtivo for o feedback, mais eficaz será o processo de aprendizagem e, consequentemente, o processo de melhoria. A criação rápida de protótipos e o feedback rápido podem assim conduzir a processos de inovação muito mais eficientes.

4. Construir confiança e segurança

Para ousar apresentar novas ideias e implementá-las, é preciso ter auto-confiança. Se os empregados tiverem medo de ser ridicularizados, punidos ou mesmo despedidos por terem cometido um erro, não se atreverão a trabalhar em novos projectos, a menos que sejam forçados a fazê-lo. Para tirar o máximo proveito dos seus empregados, eles precisam de ter a confiança de que não há problema em cometer erros e que a empresa aprecia quando tentam algo novo. Muitas empresas falham neste ponto porque não confiam nos seus empregados e constroem uma cultura de medo onde os erros são punidos.

Conclusão sobre a cultura do erro

Especialmente na mudança em torno das novas tecnologias e de um mundo centrado no cliente, as empresas devem aprender a acordar numa melhor cultura empresarial o mais rapidamente possível. A geração mais jovem quer viver mais, os clientes mudam num curto espaço de tempo e as empresas também têm de reagir rapidamente. Estas reacções rápidas e esta forte exigência de adaptabilidade também conduzirão a muitos erros. A direcção, a organização e também os empregados devem estar preparados para isso.

Assim, uma cultura de erro funcional é um elemento básico para a sobrevivência bem sucedida num ambiente digital e essencial para as empresas.

CEO & Founder of MoreThanDigital. Serial entrepreneur since he successfully founded his first companies at the age of 13. He has always questioned the "status quo" and is committed to innovation, disruption and new ideas. As International keynote speaker, consultant for companies and governments & states, lecturer and published digital transformation expert, Benjamin tries to advance the topics of digitalization, digital transformation and innovation internationally.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. AcceptRead More