Inteligência artificial – milagre da tecnologia ou da arte?

Como as empresas estão a utilizar a tecnologia inteligente e a diversidade para promover a inovação e o empoderamento digital

O homem quer fazer mais do que apenas optimizar com a tecnologia digital. Ele quer aumentar os seus conhecimentos e criar algo novo. A inteligência artificial (IA) explora a questão do que constitui o ser humano no seu âmago: Existe uma alma? Como é que a mente atinge a consciência? As máquinas inteligentes prometem repetir o sonho da criação: o homem reproduz a sua própria origem. Ele quer compreender de onde vem. Impedi-lo de sair. A inteligência artificial e as empresas inovadoras são supostas ajudar.

O homem quer fazer mais do que apenas optimizar com a tecnologia digital. Ele quer aumentar os seus conhecimentos e criar algo novo. A inteligência artificial (IA) explora a questão do que constitui o ser humano no seu âmago: Existe uma alma? Como é que a mente atinge a consciência? As máquinas inteligentes prometem repetir o sonho da criação: o homem reproduz a sua própria origem. Ele quer compreender de onde vem. Impedi-lo de sair. A inteligência artificial e as empresas inovadoras são supostas ajudar.

A inteligência artificial é o futuro. Aproximará o nosso sonho de uma vida sustentável em harmonia com os recursos da natureza. Sistemas de gestão de trabalho altamente eficientes irão trazer-nos mais conforto na nossa vida diária. A inteligência artificial aumentará a prosperidade global, combaterá as deficiências de saúde, e impulsionará a auto-optimização da humanidade. A inteligência artificial aproxima-nos mais como espécie, mas também traz mais regulamentação às nossas sociedades. Explorará o espaço connosco e criará novos instrumentos militares de destruição de precisão sem precedentes.

A inteligência artificial como tecnologia chave do século XXI

“A inteligência artificial pode ser uma das invenções mais úteis da humanidade”, anuncia a “Deep Mind” do Google, sem dúvida a empresa de investigação mais conhecida em torno da IA. Em todo o mundo, existem projectos inovadores de IA praticamente aplicada que têm amplos benefícios para a sociedade: diagnósticos médicos mais precisos através de radiómica, assistentes digitais para controlo de projectos complexos de grande escala, controlo inteligente de tráfego através de semáforos optimizados por IA, sistemas de auto-aprendizagem para uma gestão precisa da energia dos edifícios, plataformas de sensores para monitorização ambiental de grande escala ou segurança alimentar através de monitorização transparente em tempo real das cadeias logísticas.

A política e as empresas reconheceram a inteligência artificial como uma tecnologia chave que será decisiva para a competitividade internacional no futuro. Em todo o mundo, estão a ser adoptadas estratégias nacionais para apoiar a investigação e desenvolvimento, o know-how, a promoção de jovens talentos e a criação de redes internacionais com investimentos de milhares de milhões – lideradas pelos EUA e pela China, que competem pela supremacia global da gripe aviária. Contudo, apesar do enorme potencial da tecnologia, nem todas as empresas estão a integrar eficazmente a inteligência artificial na sua estratégia e processos.

40% das empresas que fazem investimentos significativos em IA não conseguem alcançar um sucesso mensurável com ela. Por que é que as iniciativas de IA falham? A complexidade e o risco da IA são subestimados. Há uma falta de coragem para uma gestão abrangente da mudança, muito pouco é investido nas competências digitais dos empregados. Além disso, há falsas expectativas em relação à tecnologia: o Homo Deus conflita a busca do benefício colectivo com uma crença religiosa na concepção inteligente. Em vez de ser um instrumento de potencial valorização individual e de colaboração conjunta, a inteligência artificial torna-se um aparelho de vigilância anónimo que dita o trabalho. O individualismo, a maturidade e a tracção empresarial caem no esquecimento. De onde vem este equívoco e como pode ser combatido?

O homem é a melhor máquina

A inteligência artificial é um aglomerado altamente complexo, mas como palavra-chave, é muitas vezes difícil de delinear. Segundo Alan Turing, a inteligência artificial refere-se à capacidade dos computadores e dos programas de processamento de símbolos de máquinas para imitar o raciocínio humano. Esta ideia deriva do conceito moderno do homem como uma máquina, que surgiu com o início da ciência moderna no século XVII. Como uma área actual de investigação em informática, a inteligência artificial refere-se à automatização do comportamento inteligente e à aprendizagem de máquinas. A inteligência artificial é também uma teoria científica da mente que explora o problema da definição, representatividade esquemática, e escalabilidade da inteligência. O tema é multidimensional e interdisciplinar: os conhecimentos de diferentes campos como a robótica, neurobiologia, psicologia, e filosofia convergem. Finalmente, a inteligência artificial é definida como todas as tecnologias e aplicações que podem simular um comportamento inteligente. É feita uma distinção entre IA fraca e forte.

IA fraca convence com a velocidade da procissão

A IA fraca, também conhecida como Inteligência Artificial Estreita (ANI), assume processos de pensamento para problemas que são fáceis de esquematizar. Operadores algorítmicos para processamento de dados executam tarefas pré-programadas automaticamente. O termo não faz uma distinção clara entre hardware e software – refere-se normalmente a sistemas ou programas de computador que se destinam a permitir que as máquinas executem tarefas de inteligência. Especificamente, a IA fraca refere-se a aplicações existentes de automatização tecnológica e digitalização: sistemas robotizados em fábricas, zangões (parcialmente) autónomos no sector militar e agrícola, análise do mercado de acções e detecção de fraude apoiada pela IA na indústria financeira, publicidade programática em marketing, sistemas automáticos de reconhecimento de voz e imagem e chatbots em serviço e vendas.

A enorme vantagem da IA fraca é a sua velocidade de processamento: os transístores nos computadores modernos trabalham milhões de vezes mais depressa do que o cérebro humano. As arquitecturas de software inteligente já hoje em dia realizam enormes avaliações que ultrapassam a precisão da resolução de problemas humanos em muitas áreas. Graças à aprendizagem profunda e às redes neurais artificiais, a IA fraca pode não só comunicar e fazer deduções lógicas, mas também derivar novos conjuntos de regras por si só. O desempenho da IA fraca depende da quantidade frequentemente enorme de dados – Grandes Dados – com os quais é alimentada para aprender. As desvantagens da IA fraca: é extremamente susceptível de erro devido à sua natureza material. Não pode (ainda) ter as suas próprias experiências, o que é elementar para a aprendizagem humana. Não existe no seu próprio contexto cultural, como notou o crítico de IA Hubert Dreyfus nos anos 70. Por conseguinte, não tem nenhuma intuição que lhe permita fazer um levantamento e avaliar os factos em relação a um quadro geral mais amplo.

IA poderosa – superpotência tecnológica ou terminador distópico?

A IA forte, também Inteligência Geral Artificial (AGI), é a noção de uma inteligência artificial que pode compreender ou aprender qualquer tarefa intelectual, bem como uma humana. Ao contrário da inteligência fraca fechada, é aberta na medida em que deixa a determinação inicial predeterminada e actua de forma autónoma. Quando e se alguma vez chegaremos a este estado é uma questão de debate entre os investigadores da IA, mas alguns – sobretudo o futurista americano Ray Kurzweil – acreditam que isso irá acontecer em meados do século XXI. Uma vez atingido esse estado, dizem, o caminho para a superpotência AI, ou Super Inteligência Artificial (ASI), será curto: que a inteligência artificial ultrapassará os seres humanos em poder cognitivo. Segundo o filósofo de Oxford Nick Bostrom, esta superinteligência irá confrontar os seres humanos ou como um oráculo, um génio ou um governante. Alguns até receiam que o aumento sobredimensionado das capacidades cognitivas do homem com a ajuda de máquinas cause uma explosão de inteligência que fundamentalmente ameaça ou mesmo destrói a existência do homem – “Skynet” envia os seus cumprimentos. Perspectivas de futuro realistas ou conto techno-fairy?

Emergência de uma ecologia de inteligência em vez de singularidade tecnológica

Aconselha-se cautela ao fazer previsões míopes sobre o futuro, porque as pessoas sempre sobrestimaram as tecnologias do seu tempo. Em meados do século XIX, os utópicos sonhavam que as fábricas automatizadas seriam criadas num espaço de tempo muito curto, o que permitiria uma utilização mínima do trabalho humano. Mesmo assim, estas visões progressistas foram acompanhadas por receios de desemprego dramático e colapso social. No que diz respeito à iminente explosão da inteligência, há também vozes mais prudentes. O físico americano e vencedor do Prémio Nobel Frank Wilczek assume antes uma “co-evolução” duradoura em vez da chamada singularidade tecnológica. De acordo com Wilczek, haverá toda uma ecologia de diferentes tipos de inteligência poderosa interagindo uns com os outros ao longo de muitas décadas. Isto daria ao ser humano tempo suficiente para desenvolver regras morais para a ética digital em relação à IA através da aprendizagem na interacção prática.

A propósito, a chamada singularidade tecnológica, que se refere ao momento teoricamente assumido em que uma inteligência artificial ultrapassa a inteligência humana, não deve ser confundida com a supremacia quântica. Isto refere-se ao ponto em que um computador quântico pode executar tarefas que um computador que trabalha com algoritmos clássicos não pode calcular. Especificamente, várias empresas como a IBM e a Intel estão a trabalhar neste projecto com os computadores quânticos existentes. O Google e a NASA postularam recentemente a Quantum Supremacy como alcançada, mas a prova científica ainda não foi fornecida.

A arte da inteligência consiste na interacção de unidades descentralizadas

Há algum tempo atrás, o perito em educação Jörg Dräger sugeriu a substituição do termo inteligência artificial por “inteligência aumentada” para evitar mal-entendidos no debate ético em torno da IA. O que há de errado com o termo inteligência artificial? Sugere que a inteligência de máquina pode substituir a inteligência humana. No entanto, a compreensão da inteligência no debate público é unilateralmente científica. Contudo, para além da inteligência matemática-lógica, existem outras inteligências que são pelo menos tão cruciais para o comportamento humano: a inteligência emocional, utilizando os sentimentos como instância de avaliação para hierarquizar factos e eventos, e a inteligência social, pesando decisões num grande raio de relações interactivas entre indivíduos e colectivos.

A investigação actual sobre IA e o desenvolvimento da robótica já está a abordar a medida em que as emoções e os seus efeitos permitem decisões mais rápidas do que o julgamento racional. No entanto, o actual debate sobre inteligência artificial assume uma noção de identidade desactualizada que vê o cérebro como uma unidade central de comutação e comando que actua de cima para baixo. Mas o cérebro não é um supercomputador matemático que controla o corpo. Na realidade, é muito menos autónomo. O desempenho do pensamento depende de factores físicos tais como bactérias intestinais; as hormonas influenciam o nosso estado de espírito e as nossas competências cognitivas. Somos facilmente manipulados por circunstâncias externas e as nossas memórias são muitas vezes defeituosas.

Então porque somos tão eficazes apesar disto? Talvez precisamente porque o cérebro pode agir de uma forma descentralizada. A teoria da aprendizagem do connectivismo afirma que, em vez de um ego central controlador, muitas unidades autónomas tomam decisões, gerando um comportamento complexo. O investigador de IA Marvin Minsky, em The Society of Mind, descreve uma sociedade de sub-inteligência que coopera negociando entre si os seus pontos de vista limitados e conflituosos. A consciência como uma multidão diversificada de agentes interiores segue o entendimento pragmático de que as pessoas não seguem regras lógicas e programáveis, mas crescem e aprendem por tentativa e erro e experiência. Se a inteligência no pós-modernismo já não é entendida como uma substância mas como uma diferença constitutiva de múltiplas ligações, então também faz pouco sentido explicar a inteligência a partir de um modelo biológico-positivista.

Digressão: A mais alta consciência – tudo ou nada?

Um aumento da inteligência matemática produz consciência? Dificilmente. Para que isso aconteça, o processo de pensamento e consciência teria de ser o mesmo. Mas temos muito pouca compreensão de como o pensamento e a consciência estão relacionados de todo. Então o que é a consciência? Uma auto-reflexão? Uma “poluição mental criada pelo incêndio de complexas redes neutras”, como afirma Yuval Noah Harari no Homo Deus? Uma ilusão? Ou empatia, afinal de contas?

Qual é a ligação entre o cérebro e a consciência? Desde as experiências com pacientes epilépticos cujos hemisférios cerebrais foram cirurgicamente separados – os chamados pacientes de cérebro dividido – sabe-se que existe uma personalidade coerente sem uma ligação física do cérebro. Os pacientes com doenças cerebrais como a demência têm uma consciência de ego intacta, apesar de terem perdido grande parte da sua memória. As experiências com hipnose provam que as pessoas podem ser induzidas por sugestão para suprimir brevemente os impulsos cerebrais e até mesmo para esquecer as coisas a torto e a direito. Que poder controla a consciência? Ou, para usar a frase de Aristóteles, que forma assume a alma para moldar a questão do corpo como uma possibilidade consumada?

“Penso, portanto estou”, aprendemos com Descartes. Será isto verdade? Pensar é algo elementar ou apenas uma experiência cognitiva que a consciência tem? A filosofia grega antiga, que é a base do nosso pensamento moderno, via o movimento da alma como o terreno harmonioso da vida. A filosofia moderna separou a mente da percepção sensorial. O dualismo humanista e o problema mente-corpo emergiram: o homem, como ser racional e a coroa de glória da criação, distinguiu-se dos animais colocando a mente em primeiro lugar. A compreensão de uma razão divina inspira hoje os entusiastas da ficção científica a acreditar que tudo o que se tem de fazer para armazenar a personalidade de uma pessoa é carregar o seu cérebro para um computador.

Mas há opiniões muito contraditórias sobre qual é o terreno mais activo do homem ou dos vivos. As religiões asiáticas como o budismo entendem a consciência de forma diferente da filosofia ocidental. A maior consciência é uma resolução de pensamento. A verdadeira unicidade do eu espiritual só pode ser alcançada através da imersão meditativa e do vazio mental. A consciência dualista, por outro lado, que gera padrões mentais com a ajuda das percepções dos órgãos dos sentidos, é limitada e incompleta: está separada da sabedoria abrangente (Prajñā) que impregna o mundo e só pode ser experimentada através da intuição directa. Em que medida a experiência do esquecimento é necessária para o progresso e a inovação, para nos tornar conscientes da nossa espiritualidade peculiar?

Tecnologia e arte – duas faces da moeda da inovação

O nosso conceito de inteligência artificial é incompleto porque não inclui uma compreensão da inspiração. Para acender a centelha da inspiração, o que é necessário acima de tudo é caos, curiosidade e um sentido de aventura. Para desencadear a criação criativa, a espontaneidade é necessária. Só pode ser alcançado através de jogos, em vez da prática diária. Platão já sabia que o pré-requisito básico para o conhecimento é a capacidade de imaginar, a fantasia. Para isso são necessárias sobretudo capacidades como a imaginação, autonomia e qualia – sentimento subjectivo. A tecnologia não se revela, a arte sim. Para que a inteligência artificial nos diga algo sobre o mistério do humano, ela deve guardar os nossos sonhos, fantasias, e memórias. Para que a inteligência artificial se torne um recipiente ao qual confiamos o nosso ser, então deve ser a nossa aura.

O que é a arte? Tal como o próprio homem, é contraditório e imprevisível. Não precisa de se explicar para alcançar os seus maiores efeitos. É tão difícil de descrever como a beleza, mas tem muito em comum com ela. Não está interessado na utilidade; visa apenas o efeito estético e comovente de todo o quadro, edificante, educador, ou perturbador. Não se deixa prender, mas caracteriza-se pela ambiguidade e uma preferência pelo mistério. Ela quer mostrar o homem na sua totalidade: belo e hediondo, cruel e bondoso. Ao fazê-lo, ela é ambiciosa, completamente convencida de si própria e ao mesmo tempo altruísta. Ela quer criar algo único e no entanto chegar a todos com ele. Como é que ela consegue isto? A arte é uma expressão radical do singular e, ao mesmo tempo, exagera sempre o seu trabalho em geral. Ela quer intercâmbio e diálogo, mas também quer mudar, inspirar, desafiar. Para tal, está constantemente atenta ao desconhecido, o que torna visível ao alienar o familiar. Brinca com a nossa auto-percepção e faz novas ofertas de identidade.

A inovação é frequentemente rodeada pelo mito do novo absoluto. Mas o absolutamente novo é apenas uma figura teórica de pensamento que dá uma essência a este sonho sedutor. A inovação prática, por outro lado, nada mais é do que a recombinação de soluções conhecidas num campo estranho ao sujeito sob a condição de semelhança estrutural. A verdadeira inovação só pode funcionar com a inclusão da diversidade e da colaboração interdisciplinar que quebra padrões de pensamento enraizados com impulsos vindos de fora da disciplina. As técnicas artísticas podem ajudar a tornar visíveis as relações de analogia através da criação de imagens através da estética criativa.

IA como estímulo artístico para a aprendizagem física e mental

Os projectos de inovação não são deus ex machina. Eles realizam com sucesso tendências do tempo que possuem algo como uma necessidade evolutiva interna que pode ser experimentada mas não racionalmente formalizada. Quer se lhe chame Deus, Alma Mundial, Elan vital ou Zoe – há uma unidade móvel de vida que não pode ser apreendida pela decomposição algorítmica objectivável em intervalos, mas que só é incorporada pela contemplação individual. Para que a inteligência artificial seja inovadora, deve não só ser capaz de imitar uma experiência holística com todos os sentidos, mas também revelar de forma trans-subjectiva “a explosão do ser na imaginação”, como o cientista e filósofo natural Gaston Bachelard descreveu a existência da imagem poética. Segundo Bachelard, porém, o poder criativo original e a atitude ética básica são pré-linguísticos:

„A alma dá a consagração. É a força elementar aqui. É a dignidade humana.“ (Gaston Bachelard: Poetik des Raumes, 1957)

Como, então, reunir a superpotência cognitiva e a inspiração criativa alimentada pela imaginação subjectiva? Olhando para trás: os tempos modernos compreendem o domínio da memória como prática e treino, ou seja, como o domínio das competências técnicas. Na antiguidade, contudo, o conceito de técnica ainda não estava separado da arte: a téchne incluía tanto o fazer e produzir como as obras do que mais tarde foram chamadas as artes superiores, tais como fazer música, escrever poesia, e dominar a retórica. O domínio consistiu não só em seguir determinadas regras formais, mas também na improvisação criativa, o que tornou possível a produção de variações individuais. Apenas a cultura linear e alfabética da impressão elevou as técnicas de repetição e uniformidade ao princípio mais elevado, que ainda hoje determinam a nossa visão mecanicista do mundo.

No entanto, culturas altamente complexas e simultâneas como a Rede exigem outras qualidades: em vez de uma programação exacta de todos os factores, a generalização e ponderação de factores individuais, ignorando aspectos irrelevantes, é mais eficaz para alcançar uma maior compreensão. A inteligência artificial que é para dominar com sucesso o espaço digital precisaria de possuir compreensão associativa em vez de pura análise factual. Práticas como a mnemónica podem ajudar neste sentido. Nesta antiga arte da memória, as memórias são pensadas como um lugar, que tem as seguintes vantagens: Imagens e relações complexas são melhor lembradas através de associações, visualizações, pedaços, e localização. A mnemónica assemelha-se ao princípio da neurocomputação, na medida em que são criados processos dinâmicos e efeitos de feedback que podem ser mapeados em muitas escalas espaciais e temporais diferentes. A neurocomputação, por sua vez, baseia-se na descrição de um modelo mínimo altamente simplificado, ao contrário da tecnologia quântica.

Conclusão: O valor acrescentado através da IA só é conseguido através do investimento na auto-consciencialização criativa

O que aprendemos para a inovação na interacção da tecnologia inteligente e da gestão da mudança na empresa? O valor acrescentado sob a forma de produtos ou serviços socialmente bem sucedidos só surge através da interdisciplinaridade da abordagem e da promoção da auto-consciencialização criativa que está disposta a separar-se dos procedimentos antigos. Só através de um distanciamento e emancipação autocrítica do processo cognitivo se pode alcançar a antifragilidade necessária que pode unir os aparentes paradoxos da inovação artística: Revolução e Origem.

A inteligência artificial só pode ter sucesso se servir o nosso desejo lúdico de mudança, nos desafiar e nos ajudar a ultrapassar. Se utiliza a computação contextual para equipar as pessoas com informação de aprendizagem útil, em vez de lhes retirar as suas decisões. Se nos mostrar formas de implementar as nossas responsabilidades através de acções práticas em vez de nos retirar a responsabilidade pelo nosso bem-estar. Não deve aumentar a nossa abundância, mas apontar a nossa falta e ajudar-nos a preenchê-la. Então a tecnologia pode aumentar a nossa liberdade em vez de criar novas gaiolas que negam a nossa humanidade.

Sprach- und Europawissenschaftlerin Simone Belko engagiert sich für digitale Mündigkeit in einer vernetzten Wissensgesellschaft. Nach Stationen als PR-Managerin und Journalistin leitete sie in der Online Games Branche die Lokalisierung und das Community Management internationaler Produkte. Aktuell ist sie beim FinTech FINEXITY für Customer Experience und Content-Strategie zuständig.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More