Selecção de empregados – A primeira impressão conta, mas a segunda é importante

Porque é que a primeira impressão conta profissionalmente, mas a segunda é realmente importante.

Porque é que a primeira impressão conta profissionalmente, mas a segunda é realmente importante. Um guia para empresários e empregados sobre o tema das candidaturas a emprego e selecção de empregados.

Porque é que a primeira impressão é tão importante para nós?
Como é que tivemos a ideia de que dez ou vinte minutos com uma pessoa é suficiente para sequer adivinhar que tipo de pessoa está por detrás disso?

O facto é que perdemos oportunidades de conhecer novas pessoas interessantes ou de contratar empregados capazes através deste hábito.
Descobrir se podemos harmonizar juntos e realizar projectos em cooperação é um processo, um processo longo e contínuo. As pessoas mudam, as circunstâncias mudam e assim fazem as condições de trabalho. É quase impossível tomar a decisão certa com base numa curta conversa. O que se pode fazer: reduzir o risco de tomar a decisão errada.

O empresário pode emprestar a objectividade certa ao seu processo de decisão através dos seguintes pontos, invalidando assim a primeira impressão enganosa.

Analisar documentos

É claro que o conteúdo do CV em si não deve ser negligenciado, mas também se deve olhar para o panorama geral. É uma aplicação padrão que é encaminhada para todos os tipos de empresas? Está disponível uma carta de motivação? De que forma se candidatou? Até que ponto é criativa ou sensata a aparência geral?

Entrevista de emprego

Durante a conversa em si, dois pontos devem ser considerados. Experiência e confiança. Nem todos os candidatos têm a mesma quantidade de experiência em entrevistas de emprego. No entanto, a experiência prática e a prática são essenciais para causar a “perfeita” primeira impressão.
Do mesmo modo, não há base de confiança no início. Também nesta base, alguns candidatos ficarão mais reservados ou nervosos e não revelarão muito sobre si próprios.

Comportamento após a aplicação

Este pode também ser outro importante instrumento de selecção. A pessoa está realmente por detrás disto? Ele ou ela apresenta-se e volta a perguntar sobre o trabalho? Está ele ou ela a esforçar-se por conseguir o emprego?
O comportamento contrário, nomeadamente a contenção, também pode ser de natureza táctica. Esta é uma forma de expressar “Não tenho de perseguir um emprego. A empresa não me escolhe, eu é que escolho a empresa”.

Informações

Perguntar aos empregadores anteriores é também outro ponto importante. No entanto, desta forma, só terá uma opinião unilateral. A consulta com o aspirante sobre as informações fornecidas é essencial para obter uma imagem não distorcida.

Equipa

A equipa existente deveria também ter uma palavra a dizer. Especialmente nas micro e pequenas empresas, a sua opinião não só deve ser respeitada como também tida em conta. Se os empregados estiverem descontentes, isto tem um impacto em toda a empresa. Para além disso, o recém-chegado terá dificuldade em instalar-se.

A considerar

Assim que uma pessoa da sua própria rede é recomendada, isto já lança uma luz positiva sobre ela com antecedência. O mesmo se aplica a pessoas com quem já lidou antes ou mesmo com quem trabalhou em conjunto.
Com antigos colegas, sabe que já foi responsável por um projecto bem sucedido no passado. Mas só porque foi capaz de trabalhar bem com esta pessoa no passado, não significa automaticamente que o mesmo seja verdade para o novo emprego.
O comportamento do trabalho é determinado pelo ambiente, o cenário e, claro, o trabalho necessário. Por isso, tem de se provar de novo em cada nova posição.

Como já foi mencionado, é um processo até se perceber se foi ou não tomada a decisão certa ao escolher um empregado. É apenas através de um período mais longo de cooperação que o “verdadeiro eu” de uma pessoa se torna aparente.
Os recém-chegados podem precisar de tempo para se instalarem antes de poderem desenvolver e mostrar todo o seu potencial.
Em contraste, algumas pessoas perdem o seu entusiasmo inicial após algum tempo.

Naturalmente, existem também dicas para os empregados encontrarem a empresa ideal para um emprego a longo prazo.

Comportamento fingido

Fingir ser uma pessoa para um local de trabalho é ilusório. Mais cedo ou mais tarde, trai-se a si próprio e, se não o fizer, só ficará infeliz. Com esta atitude não conseguirá todos os trabalhos, mas não é essa a questão. No final, trata-se de encontrar um trabalho que o faça feliz e que goste de fazer durante muito tempo.

“Sobrequalificados”

Pensar que se está demasiado qualificado para banalidades é a abordagem errada para uma boa relação de trabalho. Quer seja trazer um café a alguém, ou trazer leite ou fruta para o escritório inteiro. Isto não é um trabalho inapropriado, mas sim apreço pela equipa.

Valores

Se existem diferenças fundamentais entre empregadores e empregados em termos dos seus valores e princípios, é igualmente melhor procurar outro emprego. Por exemplo, uma pessoa com consciência ambiental candidatou-se a um emprego e durante a entrevista nota que a empresa está apenas orientada para o lucro e que não se preocupa com as alterações climáticas, a reciclagem, os oceanos e a natureza. Mesmo que este trabalho cubra necessidades financeiras, esta diferença fundamental afectaria o bem-estar pessoal.

A considerar

O mesmo se aplica aos empregados: a primeira impressão não é necessariamente o factor decisivo, porque também aqui vários factores podem ser enganados. Não se deve fazer depender a própria carreira profissional da primeira reunião ou conversa. Por vezes os empregadores parecem fixes e reservados no início, mas depois provam ser gestores amigáveis.

Existe, a primeira impressão e nós, humanos, só precisamos de 150 milissegundos para ela, como mostra o conhecido estudo do Instituto Max Planck de Economia. Após sete segundos, no máximo, a primeira impressão é formada. A Universidade de Harvard também trouxe um estudo sobre este tema. Após este curto período de tempo, já temos a nossa própria imagem, tendenciosa, da nossa contraparte, sem sequer o conhecermos. Esta imagem baseia-se principalmente na nossa postura e expressão facial. Mesmo o estilo linguístico desempenha um papel importante.
O objectivo deste artigo não é dizer que a primeira impressão não é importante e que deve ser ignorada. Naturalmente, obter uma boa imagem de si mesmo pode ser crucial. Ao mesmo tempo, contudo, não devemos atribuir-lhe demasiada importância, caso contrário, poderemos perder oportunidades.

Por estas razões, o meu princípio orientador sobre este assunto é

“First impressions count, but second impressions really matter.”

By: Yvonne Maria Göstl & Kambis Kohansal Vajargah

Kambis Kohansal Vajargah ist Head of Startup-Services der Wirtschaftskammer Österreich. Als Entrepreneur, Company Builder und Startup Mentor unterstützt er außerdem Startups in der frühen Entwicklungsphase bei der marktreifen Umsetzung ihrer Ideen. Zu seinen erfolgreichen Unternehmungen zählen Startups, wie Carployee und die Softwareschmiede vendevio. Der Schwerpunkt seiner Tätigkeiten liegt in den Bereichen digitales Marketing, strategische Unternehmensentwicklung und Leadership Management. Vom World Economic Forum zum europäischen Digital Leader ernannt, treibt er als aktive Kraft die Digitalisierung Europas voran. Sein Motto: Believe. Execute. Learn Mehr zur neuen WKO Startup-Initiative, dem Head of Startup-Services, unseren Open Office Hours & der österreichweiten Spotlight-Tour: www.startupnow.at

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Request Free Early Access

Join our waitlist and be the first one to see the powerful Insights Platform live.

You have successfully entered the waitlist!