Digitalização como uma oportunidade: 5 teses sobre como contribui para a Liderança 4.0

Um olhar sobre a nova cultura de liderança digital e quais as oportunidades que a digitalização comporta

As enormes mudanças na era digital estão a levar os líderes a um novo mundo, quer queiram quer não. Precisamos de uma nova perspectiva de liderança se quisermos ajudar a moldar a mudança em vez de ficarmos expostos a ela enquanto reclamamos. Com isto em mente, formulei 5 princípios orientadores que colocam a liderança num novo quadro de referência. Gostaria de definir impulsos para os principiantes que mal lidaram com o tema até agora.

As enormes mudanças na era digital estão a levar os líderes a um novo mundo, quer queiram quer não. A liderança como uma tarefa numa estrutura hierárquica torna-se liderança como um valor orientador na auto-gestão de uma pessoa.

5 princípios orientadores para uma participação activa

Precisamos de uma nova perspectiva de liderança se quisermos ajudar a moldar a mudança em vez de ficarmos expostos a ela enquanto reclamamos. Com isto em mente, formulei 5 ideias-chave que colocam a liderança num novo quadro de referência. Gostaria de dar impulsos aos recém-chegados que mal lidaram com o tema até agora e iniciar uma discussão mais profunda.

1. Mais consciência em vez de mais conhecimento

Na verdade, ainda não chegou a todo o lado: Digitalização não é um projecto de TI!  Digitalização é “apenas” uma palavra para a mudança de paradigma abrangente que está a ter lugar a nível mundial. Há anos que vivemos o colapso de estruturas em várias áreas, sistemas e níveis.

A nível político, as estruturas estão a desintegrar-se: o Bloco de Leste, o Muro, alianças de Estados dissolveram-se. Quem teria pensado que a reunificação seria possível?

No sector médico, os paradigmas que pareciam inamovíveis estão a cair: A epigenética está a provar que os genes não são o destino. Temos nas nossas mãos as chaves da expressão genética todos os dias – o que significa que decidimos por nós próprios se uma doença irrompe ou não.

A comunicação está a tornar-se sem fronteiras graças aos meios de comunicação social. Podemos contactar pessoas com o clique de um rato que em tempos estiveram escondidas atrás de barreiras intransponíveis.

O poder de processamento informático duplica a cada 2 anos, de acordo com a Lei de Moore. O conhecimento duplica pelo menos de 5 em 5 anos. E já não está escondido atrás das portas da torre de marfim. “Conhecimento é poder” já não se aplica.

Quando qualquer informação está apenas a 5 cliques do rato, trata-se de encontrar e aplicar o conhecimento. Saiba como! A torre de marfim foi aberta e temos livre acesso. A única coisa que importa é se nos interessa o suficiente.

Não precisamos de ainda mais conhecimentos, porque já está a crescer exponencialmente, análogo ao poder computacional da Lei de Moore.

Digitalização não é um projecto de TI! Estamos no meio do colapso do velho mundo. E devemos cultivar o pensamento pioneiro. Podemos moldar as convulsões com mais consciência. Isto requer uma chamada consciência superior que tenha em conta que tudo está ligado. Uma consciência das ligações internas sistémicas do mundo e da forma como mantemos este mundo.

Acima de tudo, precisamos de mais Saber-Porquê em vez de Saber-Como.

2. Equilíbrio de vida em vez de equilíbrio de trabalho-vida

Uma consciência mais elevada liga-se em vez de se dividir. Com o início da industrialização, começámos a dividir o trabalho e a vida. Este não era o caso na sociedade rural antes.

Hoje em dia, como resultado, falamos de equilíbrio entre trabalho e vida privada. Infelizmente, o que parece útil é apenas um sintoma de uma separação insalubre entre o trabalho e a vida. Criamos um desequilíbrio a fim de o equilibrar posteriormente com grandes despesas.

Porque não dar mais qualidade de vida em geral? Os líderes que não equilibram trabalho e vida não serão capazes de iniciar a qualidade de desempenho sustentável na sua empresa e entre os seus empregados. Porque a lei da ressonância também se aplica aqui.

O desequilíbrio ou a falta de auto-liderança passa da cabeça para o corpo – tanto a nível da empresa como a nível pessoal. O peixe cheira mal da cabeça, como diz o ditado. A solução: exemplificar o equilíbrio de vida. Isto cria funcionários satisfeitos na equipa, que também se gerem bem. Isto cria mais benefícios para todos: empregados, gestores e a empresa.

3. Direito à participação em vez do direito ao trabalho

O direito ao trabalho é um postulado desde a época da industrialização. A digitalização irá miná-la ainda mais. Actualmente, ainda estão a ser feitas tentativas para gerar mais trabalho, impulsionando a economia através de incentivos ao consumo.

Mas a reivindicação do pleno emprego pertence à era já passada da revolução industrial. Não haverá mais trabalho suficiente para todos. Precisamos de redefinir o trabalho.

A robótica, a IA e outras tecnologias estão a reduzir a quantidade de trabalho. Em troca, a necessidade de trabalho qualitativo está a aumentar.

Isto requer um enorme repensar. A posse de bens será substituída por uma utilização mais significativa dos bens. Em vez de permitir a propriedade das coisas através do trabalho, asseguramos a participação na utilização das coisas através da criação de valor.

Partilhar a economia não é uma tendência, mas sim o futuro do trabalho sustentável. Este planeta não pode tolerar ainda mais consumo. Este planeta precisa de renunciar ao crescimento económico permanente, uma vez que os seus recursos não só são limitados, como já estão esgotados em muitas áreas. Tentar criar mais trabalho com mais consumo é pensar ao contrário.

Não precisamos de mais coisas. Precisamos de uma distribuição mais equitativa da utilização das coisas. A digitalização cria as ferramentas necessárias para tal.

4. A liderança em rede substitui a liderança hierárquica

As estruturas hierárquicas são, em grande parte, obsoletas. A digitalização permite a participação de utilizadores, produtores e gestores a todos os níveis. Isto significa que as estruturas habituais irão desaparecer.

Numa altura em que é possível partilhar toda a informação a nível mundial, o poder das células individuais está a desaparecer. Já não é imperativo que os elementos de uma cadeia de valor dentro da mesma empresa sejam organizados sob a mesma estrutura de gestão. Uma empresa já não é necessária para uma empresa significativa; tudo o que é necessário é uma organização baseada em projectos liderada por um líder ágil.

A liderança define-se menos centrada na organização como uma pirâmide com um indivíduo (ou pequeno elemento organizacional) no topo. A liderança define-se mais centrada no processo de acordo com as redes neurais que também são utilizadas na IA para mapear eficazmente dinâmicas complexas.

Isto significa que aqueles que são capazes de trabalhar bem em rede e de forma orientada para os resultados estão bem posicionados para o mundo digital.

5. Liderança bem sucedida através da auto-liderança

Se não conseguir liderar a si próprio, não será capaz de liderar outros. Alfred Herrhausen já o afirmou – e ainda hoje se aplica. Todos nós vivemos num mundo VUCA incerto e inquietante. Os líderes, em particular, devem demonstrar uma tremenda adaptabilidade à mudança constante e à resiliência pessoal. A saúde pessoal está a tornar-se um poderoso factor de auto-liderança.

Isto é demonstrado pelo trabalho do economista Nikolai Kondratieff. Identificou longos ciclos de desenvolvimento económico com referência a uma tecnologia chave. O chamado 5º Kondratieff teve o seu auge nos anos 80-90 e tirou a sua energia motriz do desenvolvimento das TI baseadas em computadores. O mundo tornou-se uma aldeia informativa.

Actualmente, os economistas que continuam esta teoria vêem o ciclo do 6º Kondratieff caracterizado pela saúde psicossocial e pela biotecnologia. Excluem explicitamente aqui o sector clássico da saúde porque vê os seres humanos como biomáquinas e não tem a ligação com as descobertas da física e da física quântica. Em termos simples: as pessoas são responsáveis pela sua própria saúde e manutenção de desempenho. Saúde psicossocial! Isto significa que o efeito de alavanca não provém de um desenvolvimento técnico, mas de um comportamento, de um modo de vida. O alcance desta alavanca será visto no futuro.

Os líderes ágeis lideram-se a si próprios e lideram indirectamente a sua equipa, sendo também modelos a seguir nas responsabilidades de saúde. Ver tese 2.

Conclusão

A globalização e a digitalização ligam-nos em novas estruturas. Se colocarmos esta realização num quadro de referência diferente, então a frase “estamos todos ligados, somos todos um” já não pode ser entendida espiritualmente. Então esta frase reflecte o mundo tal como o vivemos hoje.

Funcionamos como num holograma onde cada parte é uma versão mais pequena do todo. Todos temos plena responsabilidade por nós, pelo nosso trabalho e pelos nossos resultados – e pela forma como tratamos este planeta.

A digitalização é a maior tarefa de design do nosso tempo, escreve Karl-Heinz Land in Earth 5.0. A questão crucial será com que atitude as pessoas aceitam este desafio.

Assim, vamos criar uma nova cultura de liderança com líderes autênticos que estejam à altura da sua função de modelo e se tornem co-criadores activos da mudança com base na inteligência emocional e com os valores apropriados. Isto é o que eu chamo Liderança 4.0.

Ava Hauser navigiert Führungskräfte durch die Stromschnellen massiven Wandels. Führung 4.0 versteht sie als die optimierte Verbindung von Selbstführung und Führung in Zeiten der Digitalisierung. Mit 20 Jahren Erfahrung im Coachingbusiness hat sie dafür ein Programm entwickelt, das ungenutzte Ressourcen aktiviert und die Selbstführung verbessert. So meistern Leader die Herausforderungen und erreichen bessere Resultate ohne persönliche Reibungsverluste. Sie ist Keynote Speaker und Expertin für [Selbst]Führung und Highperformance.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More