O grande equívoco da digitalização como um processo de mudança

O maior desafio da digitalização não é a adaptação das tecnologias

O maior desafio da digitalização não é a adaptação de tecnologias, mas o desenvolvimento de métodos de trabalho e estruturas organizacionais. Enquanto o mundo industrial se caracterizava pela eficiência impulsionada ao máximo por processos sofisticados, temos agora de nos adaptar a um mundo em que as capacidades humanas como a criatividade, a comunicação e a empatia são libertadas.

Uma e outra vez, a transformação digital (digitalização versus transformação digital) é descrita como o “maior processo de mudança de todos os tempos”. A mudança que estamos a sofrer actualmente é certamente muitas coisas, mas uma coisa certamente não é: um processo!

Porquê? Viemos da era da industrialização, onde as organizações funcionam como uma máquina: Neste mundo, os processos asseguram que cada empregado funciona como uma roda na caixa de velocidades. A adaptação perfeita às exigências desta época: tarefas complicadas (como o fabrico de um automóvel) dividem-se em muitas pequenas etapas de trabalho, cada uma das quais deve ser completada por empregados com objectivos definidos. A direcção atribui tarefas e controla a conformidade com as especificações. Os processos são o espartilho para evitar erros e controlar a interacção das tarefas individuais.

Esta organização do trabalho enquadra-se perfeitamente num mundo previsível e previsível que estamos agora a deixar e a entrar numa era em que se aplicam regras diferentes: Complexidade vs. complexidade Planeamento vs. imprevisibilidade, algemas vs. flexibilidade, especificações vs. responsabilidade pessoal. Vamos analisar isto mais de perto.

Complexidade vs. complexidade

Digitalização significa pensar em sistemas. Tudo pode ser associado a tudo, graças à Internet das Coisas. Tomemos a mobilidade como exemplo: para ir de A a B, já não temos necessariamente de escolher um único modo de transporte: ou seja, comboio ou o nosso próprio carro, mas podemos levar a e-scooter até à estação S-Bahn, depois utilizar o transporte público e, finalmente, talvez levar um carro alugado até ao destino final. Tudo pode ser reservado antecipadamente com um único processo de pagamento. A integração dos dados torna-o possível. A rapidez com que as emissões de C02 dos automóveis são reduzidas, portanto, já não depende apenas do fim do motor de combustão, mas de numerosos outros factores. A causa e o efeito já não são lineares – temos de pensar nos sistemas. Estamos imersos num mundo complexo que já não pode ser controlado por processos.

Planificabilidade vs. imprevisibilidade

A complexidade também significa que temos opções de planeamento menos fiáveis. Vamos ficar com a mobilidade e olhar para ela através dos olhos de um fabricante de automóveis: Para além da rede digital dos vários meios de transporte, há também a condução autónoma. Dentro de alguns anos, quando puder encomendar o veículo de que preciso ao toque de um dedo utilizando uma aplicação à minha porta, posso nem sequer querer ter um carro. Se for esse o caso, será que a marca do carro ainda terá o mesmo significado que tem hoje? Após 100 anos de modelos comerciais praticamente inalterados, a indústria enfrenta uma mudança complexa.

Quer seja carro, lâmpada, frigorífico ou impressora – os princípios são sempre os mesmos: No momento em que ligo um produto à Internet e o enriqueco com dados, é criado um número infinito de ligações ao resto do mundo. As empresas devem portanto preparar-se para um mundo em que ainda não sabem exactamente com o que estarão a ganhar dinheiro dentro de alguns anos. É importante desenvolver o mundo do trabalho em conformidade e olhar para os processos através de diferentes vidros:

Algemas vs. flexibilidade

Como é que nos ajustamos a um mundo assim? Certamente não através de mais processos, mas através de estruturas flexíveis. Mais do que nunca, o mundo complexo e multifacetado descrito acima precisa de pessoas criativas capazes de aproveitar as inúmeras oportunidades – correr riscos, experimentar as coisas, estabelecer redes com novos interessados. Quanto mais o trabalho de cada indivíduo for limitado por processos, menos imaginação surgirá para reconhecer exactamente estas muitas possibilidades. A mudança digital só se pode desenvolver no espaço livre: Permitir que os funcionários trabalhem em rede para além das fronteiras departamentais, partilhando conhecimentos através de modernas ferramentas de colaboração que tornam as pessoas e as suas competências visíveis.

Especificações vs. responsabilidade pessoal

Cada vez mais trabalho está a ser feito por máquinas. Isto não deixa quase nenhum local de trabalho de fora. Os raios X já estão a ser avaliados mais rápida e precisamente por máquinas do que por médicos. Há anos atrás, um estudante londrino de 18 anos desenvolveu uma aplicação que lhe poderia dar informações legais rápidas se alguma vez recebesse um bilhete, por exemplo para estacionar de forma errada, e o departamento de construção de máquinas já está a implementar a construção automática. Os académicos também serão libertados de todo o trabalho que tenha algo a ver com reconhecimento e padronização de padrões. O que restará então para nós, humanos? O espaço será criado exactamente para o espaço livre de que precisamos para trazer as nossas capacidades humanas tais como criatividade, empatia e capacidades de comunicação muito mais para o nosso trabalho diário. O médico tem mais tempo para uma conversa com o paciente, o advogado pode tratar dos casos excepcionais, o engenheiro pode voltar a ser um funileiro. Os nossos talentos podem receber mais espaço.

Assim, quando o comando e a obediência se tornam menos e obtemos mais espaço, isso significa que temos de assumir mais responsabilidade pessoal. Para nos interrogarmos, quais são os meus pontos fortes? Ter a coragem de partilhar as nossas próprias ideias com os outros, de avançar e de correr riscos. A tão descrita mudança cultural não é uma coincidência, é uma necessidade absoluta das empresas nadarem como um peixe na água na complexidade do mundo digital. Esta mudança cultural leva tempo – e se um meio experimentado e testado de industrialização não funciona, são os processos.

Conclusão – Digitalização e Mudança

O mundo do trabalho industrial caracterizou-se pela eficiência, em que cada indivíduo da empresa tinha de completar tarefas pré-determinadas dentro de um tempo definido. Os processos proporcionavam o enquadramento apertado, a gestão significava um controlo constante dos alvos. Em tal ambiente, não foram planeadas mudanças fundamentais.

Lidar com a mudança significa externalizar todo o trabalho padrão em máquinas e dar às pessoas mais liberdade para a inovação. Uma grande tarefa que nos toca no nosso ser mais íntimo. As empresas serão bem sucedidas se questionarem todos os processos. Se retiram a liberdade aos empregados, restringem a comunicação, têm de ser redefinidos ou eliminados.

O desafio é grande, o mesmo acontecendo com as oportunidades.

Ohne neue Arbeitsweisen werden neue Technologien wie Cloudservices, künstliche Intelligenz oder Blockchain keine Wirksamkeit im Unternehmen entwickeln. Wenn technische Silos aufgebrochen werden, wenn Schnittstellen immer wichtiger werden, wenn verteilte Systeme eingesetzt werden sollen - dann muss dies parallel in der Zusammenarbeit passieren. Die passenden Geschichten dazu liefert Dorothee Töreki.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Request Free Early Access

Join our waitlist and be the first one to see the powerful Insights Platform live.

You have successfully entered the waitlist!