É assim que a tecnologia muda e nos divide – Um mundo cheio de extremos

Filtrar bolhas e radicalização - a tecnologia irá mudar-nos para sempre

A Internet e as plataformas de comunicação social têm um grande impacto nas nossas vidas e podem mesmo mudar e dividir-nos de muitas maneiras. O que são os preconceitos, as bolhas de filtragem, e porque é que as plataformas de redes sociais tentam dividir-nos?

A tecnologia pode ser vista como um milagre dos tempos modernos, mas será que ela nos divide? Nem mesmo há dois séculos atrás não podíamos sequer imaginar que podíamos voar, não havia possibilidade de telefonar a alguém ou mesmo de ter uma videoconferência onde se partilha um documento ao mesmo tempo. Este computador e a Internet têm tido muitos efeitos na nossa vida quotidiana.

A Internet permitiu-nos ligar, partilhar e interagir através de plataformas de comunicação social, procurar informação em linha e consumir conteúdo sem limites. De certa forma, turbinava a nossa interacção social de uma forma totalmente nova. Habituámo-nos a percorrer, navegar, deslizar e explorar o mundo virtual sem limites e com conteúdos sem fim gerados por pessoas que amamos, admiramos, adoramos, ou mesmo invejamos.

Mas todas estas ligações, possibilidades, e abundância de informação também têm consequências. Somos mais extremos quando se trata de escolher os nossos parceiros, pois aplicações como o Tinder dão-nos a impressão de que apenas mais 1 deslize de distância há uma correspondência ainda melhor, a Instagram prende-nos com um mundo perfeito onde as pessoas são apenas felizes, ricas e bem sucedidas, e os filtros dão-nos a impressão de que só há um rosto/corpo/vacinação de aspecto perfeito é a norma. Somos bombardeados com notícias falsas, estamos presos num mundo em que só vemos o conteúdo que melhor nos corresponde e até só nos ligamos a pessoas que um algoritmo escolhe para nós.

Estas consequências também conduzem a uma divisão na nossa sociedade.

O problema com os meios de comunicação social

Para compreender o dilema básico subjacente aos meios de comunicação social, temos de compreender a mecânica por detrás deles e o seu modelo empresarial. Antes de mais, temos de compreender que os utilizadores são o produto. Todos os que utilizam plataformas como o Facebook, Twitter, etc. concordam em ser analisados e em ver anúncios. Portanto, as plataformas tentam maximizar o tempo que passam na plataforma, tentando utilizar técnicas de manipulação que criam ansiedade no seu cérebro para o manter viciado no conteúdo, para que fique mais tempo na plataforma e consuma mais conteúdo para que lhe possam mostrar mais publicidade.

Os principais objectivos das plataformas de redes sociais são:

  • Obter o máximo de informação sobre um utilizador, a sua vida, o seu nível de vida, etc.
  • Conseguir que o utilizador partilhe mais conteúdos
  • Conseguir que o utilizador consuma mais conteúdo
  • Conseguir que o utilizador interaja com outros conteúdos
  • Convidar o utilizador a convidar mais utilizadores
  • Fazer com que o utilizador interaja com os anúncios
  • Obter mais notoriedade da marca

Segundo, precisamos de compreender que o único verdadeiro cliente das plataformas de comunicação social são os anunciantes pagantes. Todas as plataformas de redes sociais estão a tentar optimizar os seus resultados. Assim, os seus dados, tempo e interacção devem então ser monetarizados, empurrando-o na direcção certa para que mude a sua opinião (engl. Nudging), compre algo ou tenha mais probabilidades de fazer algo. Esta influência sobre si e a sua decisão é o valor que pode ser monetizado para os fornecedores de plataformas de redes sociais.

Notícias falsas (“Fake News”) são parte do problema

Nada é mais aborrecido do que as notícias que não são “activadoras” ou “controversas”. O chamado “click-bait” -conteúdo é um conteúdo que tenta activamente activar regiões do nosso cérebro onde o “medo de perder” é produzido. Este conteúdo é especialmente criado apenas para soar extremo, super interessante, ou super controverso, que muitas pessoas clicam nele. Para isso, também é preciso perceber que os cliques são como o padrão de ouro na Internet. Quanto mais atenção tiver, mais bem sucedido é o meio de divulgação de notícias, influenciador, e plataforma.

Mas a caça ao conteúdo controverso que leva a muitas discussões, partilha, e também interacções é também uma caça a muitas notícias falsas. Temos visto muitas reivindicações falsas tornarem-se virais quando muitas pessoas as partilham e as empurram através da Internet, mas por outro lado, a “verdade aborrecida” mal chega ao top 10 lê.

Mesmo o Facebook, Google, e outras plataformas estão a lutar arduamente para detectar e eliminar notícias falsas, a verdade é que querem tê-las na sua plataforma porque isso aumenta a retenção de utilizadores e as taxas de interacção com a plataforma.

Explicação do bolhas de filtragem (“Filter Bubbles”)

Para compreender porque é que podemos ser o alvo de tal conteúdo e porque é que por vezes também só vemos conteúdo semelhante, precisamos de compreender o conceito de uma “bolha de filtragem”. Este é um termo comum utilizado para descrever uma situação em que apenas conteúdo pré-filtrado é apresentado no seu próprio universo único de informação em que vive em linha. Assim, só vê conteúdo específico na sua linha temporal onde anteriormente demonstrou interesse ou com o qual interagiu.

Um exemplo simples é que, quando procura alguns dias seguidos no Facebook vídeos de melhoramento de casa de bricolage, verá subitamente muitos vídeos de melhoramento de casa, conteúdo, e sugestões de páginas na sua linha temporal. Para que isto aconteça, outros conteúdos estão a ser empurrados para baixo ou mesmo eliminados da sua lista de conteúdos. As plataformas de Social Media tentam optimizar perfeitamente esta bolha de filtragem para que se mantenha mais tempo na Internet.

Agora aqui está o problema. Só de imaginar que vê um post controverso onde alguém publicou notícias falsas e tenta apenas deixar claro que isto está errado e que partilha, por exemplo, uma fonte fiável. Depois o algoritmo pensa que gosta deste conteúdo porque interagiu com ele. No dia seguinte, vê dois destes posts e no dia seguinte ainda mais. De repente está numa bolha de filtragem onde não quer estar e começa a ver notícias e mesmo posts de forma tendenciosa porque de repente só interage com um determinado grupo de pessoas.

Divisão social – Criação de preconceitos

Quando vemos apenas as mesmas pessoas com as mesmas crenças, começamos a pensar inconscientemente que isto é correcto. É também por isso que os algoritmos só apresentam os brancos aos brancos, as mulheres às mulheres, e por isso somos preconceituosos no nosso mundo.

Também, um bom exemplo é o Instagram. Este aplicativo é um dos reis na optimização da sua alimentação aos seus gostos. Quando gostas de mulheres loiras altas, só verás um mundo cheio de mulheres loiras altas. Quando apenas procura citações motivacionais, tudo lhe recordará o sucesso e a forma como os ricos vivem a sua vida. Isto empurra-nos para muitos preconceitos e até modela a forma como vemos o mundo fora dos meios de comunicação social.

Radicalização na política

Um bom exemplo na vida real é sempre a política, uma vez que é largamente influenciada pelo seu meio envolvente e pela informação que consome. Durante séculos o sistema bipartidário dos EUA foi sempre inclinado de ambas as partes para o centro e para as ideias liberais. O Pew Research Center realizou inquéritos em 1994, 2004, e 2017 e descobriu que a visão liberal está a ser substituída por opiniões radicais sobre as 10 principais políticas. Isto também é atribuído em grande parte devido aos meios de comunicação social e à interacção com o conteúdo em bolhas de filtragem.

Quando se é bombardeado com notícias falsas sobre roubo, violação, e criminosos estrangeiros, começa-se a acreditar que eles são realmente criminosos. Isto leva a uma visão mais radical e, em última análise, a um padrão de voto mais radical. (Claro, o mesmo se aplica ao contrário também)

Polarização entre eleitores republicanos e democratas - via Pew Research Center
Polarização entre os eleitores republicanos e democratas – via Pew Research Center

Como escapar a esta bolha de filtragem?

Existem alguns truques para eliminar alguns efeitos da sua bolha de filtragem para obter pelo menos mais opiniões e conteúdos mais diversificados na sua alimentação.

  1. Seguir pessoas com uma opinião totalmente diferente
    Basta procurar activamente pessoas que não tenham a mesma opinião e que possam acrescentar algo totalmente diferente à sua alimentação. Isto irá ajudar a obter uma visão diversificada.
  2. Percorrer feeds de outras pessoas
    Basta procurar pessoas interessantes de que nunca ouviu falar e tentar percorrer a sua alimentação para ver as diferentes opiniões e o que elas recebem “filtrado”.
  3. Filtre activamente a sua alimentação
    Com cada artigo, pode dizer que quer ver menos destas sugestões. Normalmente, no menu de pós-opções (3 pontos, etc.) pode dizer “Quero ver menos deste conteúdo”. Isto irá ajudá-lo a moldar o seu fluxo de conteúdo e talvez até trazer mais conteúdo útil ao seu fluxo.
  4. Faça a pesquisa
    É geralmente difícil encontrar provas reais. Mas quando se tem a sensação de que algo só existe para efeitos de click-bait, então pesquisar se é realmente verdade ou apenas bloqueá-las como mencionado na dica anterior.

Veredicto – Os perigos de um mundo radical

Estamos ligados a um mundo onde as redes sociais estão lentamente a substituir os nossos contactos sociais físicos. Nunca consumimos mais conteúdo do que consumimos agora e precisamos de perceber que estamos a ser utilizados. Plataformas como o Facebook, Twitter, etc. estão a tentar optimizar a forma como podem conduzir, dirigir e influenciar e precisamos de estar conscientes de que isto está a acontecer, por isso temos uma pequena hipótese de contrariar.

É claro que não podemos simplesmente abandonar todos os canais de comunicação social, mas temos de ter uma abordagem muito diferente no consumo destes serviços. Temos de estar conscientes de que tudo o que vemos é apenas o perfeito mundo do conteúdo “optimizado”, que continuamos a ser viciados no conteúdo e passamos o máximo de tempo possível a percorrer e a navegar em novos conteúdos. Esta economia de atenção estará lá para sempre, uma vez que a caixa de pandora já foi aberta e só temos de aprender a lidar com ela por nós próprios.

Sem certas regulamentações políticas e sem limitar o consumo dos nossos meios de comunicação social como um todo, estamos por nossa conta a decidir que conteúdo consumimos, quanto tempo interagimos, e se acreditamos em tudo o que nos é apresentado online.

CEO & Founder of MoreThanDigital. Serial entrepreneur since he successfully founded his first companies at the age of 13. He has always questioned the "status quo" and is committed to innovation, disruption and new ideas. As International keynote speaker, consultant for companies and governments & states, lecturer and published digital transformation expert, Benjamin tries to advance the topics of digitalization, digital transformation and innovation internationally.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More