Do digital ao X-Day – Reuniões analógicas para a construção comunitária

Formas de reunião analógicas como ferramentas para partilhar conhecimentos e construir confiança

O artigo toma como ponto de partida o que a transformação digital está a fazer à sociedade. As profundas mudanças em que nos encontramos são dificilmente compreensíveis para o indivíduo. Existe, portanto, uma necessidade de intercâmbio analógico e de aprender uns com os outros. Os indivíduos estão cada vez mais a reunir-se em lugares reais onde se podem encontrar e, em troca com outros, dominar a transformação digital e identificar espaços de acção. Um espírito de abertura caracteriza o intercâmbio e a aprendizagem de e com os outros. Surgiram formas simples e repetíveis que podem ser aplicadas sem esforço – por exemplo, os X-Days.

Caros Leitores Hoje gostaria de vos apresentar o que a digitalização nos está a “fazer”, e o que podemos fazer a esse respeito. Correctamente entendido: podemos fazer algo para manter a cabeça erguida no meio do turbilhão do digital. E ainda assim, podemos e devemos beneficiar da transformação digital e ser inspirados a fazer algo de novo. Mas sem sentimentos de estar à sua mercê.

Certamente conhece os dados chave da actual transformação digital:

  • As acções estão a deslocar-se para o espaço digital: utilizamos smartphones e aplicações.
  • A fidelidade do cliente através do rastreio e da recolha de informações determina o nosso comportamento de compra digital. Isto é evidenciado pelo florescimento da venda a retalho online.
  • Surgiram novos modelos de negócio (digitais) que tornam obsoletos os produtos e fabricantes convencionais – quem é que ainda conhece a Kodak, a outrora poderosa empresa de tecnologia fotográfica a nível mundial?

Apenas aqueles que gerem com sucesso a transformação ainda estarão no mercado amanhã: foi assim que haufe umantis geriu a mudança; da mesma forma, fuji: ambos os grupos trouxeram novos produtos e métodos de fabrico e um novo. Afastaram-se da fotografia tradicional e da impressão tradicional em papel.

Para tornar tangível a mudança em que nos movemos, gosto de me referir a uma exposição perspicaz do que a digitalização está agora a mudar no nosso mundo. Para tal, refiro-me a um livro importante, mas escrito puramente em alemão sociológico, pelo Professor Armin Nassehi da Universidade de Munique (Exemplo: Theory of Digital Society, C.H. Beck, Munique 2019). Nassehi é um dos novos sociólogos a tentar analisar esta mudança social em profundidade.

O que dizem os sociólogos

Resumido em alemão de sociólogo ponderoso, a sua análise é a seguinte:

  1. As rotinas convencionais, tais como a fixação de preços, são suspensas porque os clientes descobrem os melhores preços a partir de portais de preços.
  2. A digitalização está a levar a que os modelos comerciais convencionais sejam minados. UBER em vez de táxis. GoogleAds em vez de anúncios em jornais. Uma vez que empresas poderosas como a Kodak desaparecem completamente se não conseguirem reinventar-se.
  3. A ligação de dados permite um benefício diferente do que a sua exposição no seu contexto original. A interligação de dados permite uma comunicação mais direccionada para um fim específico. Este datacan revela padrões das nossas acções que sabem mais sobre nós do que gostaríamos. Levanta-se a questão do que ainda decidimos por nós próprios (sem sermos influenciados por dados gerados a partir de nós e para nós).
  4. Com uma utilização de dados relacionada com o objectivo (mesmo a partir de dados publicamente acessíveis), as opiniões podem ser manipuladas de forma orientada através da definição de tópicos, actividades de (des)informação, etc. ver os debates sobre como influenciar as eleições.
  5. Uma vez que os dados “realizam algo” por si próprios, ou seja, a sua exploração automatizada, o valor do trabalho do ser humano produtivo individual diminui. Isto tem implicações para o mundo do trabalho e para os sistemas sociais existentes.
  6. Além disso: as investigações científicas podem tornar-se supérfluas se os dados chegarem a novas conclusões por si sós.
  7. Mas: as decisões automatizadas também podem ser “erradas”, por exemplo, se os dados introduzidos forem defeituosos ou se um algoritmo for “errado”. Isto leva a debates inteiramente novos e, em última análise, à questão da ética no tratamento dos dados.

Bem-vindo ao novo mundo da nova confusão!

Alguns pontos exigem esclarecimento para a sociedade no seu conjunto (introdução de um rendimento básico, por exemplo) ou para a regulamentação (assegurar a protecção contra a utilização indevida de dados em grande medida). No entanto, na vida quotidiana, é uma questão de reflexão, e os indivíduos são também chamados a reinventarem-se a si próprios. Será que ainda sou comercializável com a minha força de trabalho? Poderá a nossa organização mover-se com sucesso no novo mundo digital (aplica-se às associações sem fins lucrativos). Como é que ainda alcançamos a produtividade no futuro?

O verdadeiro ambiente de trabalho conta cada vez mais

De facto, muita coisa se move “para a rede”, mas não necessariamente tudo. Há uma área que está excluída disto. Há um anseio pelo analógico, por uma verdadeira aproximação, por sentir as pessoas e ouvir intimamente.

Há já algum tempo que existe uma tendência para redesenhar os locais de trabalho; para permitir mais união, distâncias mais curtas. Estas são impulsionadas pelo desejo de aproximar as pessoas e também de se aproximarem da necessidade humana de intercâmbio: Poder-se-ia chamar a isto uma espécie de re-humanização do mundo do trabalho: A necessidade de descanso, bem como de intercâmbio, é satisfeita. O que é sempre importante aqui é o local específico onde as pessoas se encontram: isto é evidenciado pela grande importância das estações de café, os novos mundos de escritórios nas grandes empresas. Isto vai até ao campus da Novartis, onde é natural e bem-vindo visitar os numerosos cafés interiores e exteriores. Em muitas empresas, foram criadas “arenas” e “mercados” internos onde as pessoas se encontram. Parte disto – frequentemente – é que desta vez é considerado tempo de trabalho. Mas esta tendência continua também fora da empresa individual. Isto é evidenciado pelos ambientes de co-trabalho quase em expansão que estão a emergir cada vez mais – não só nas cidades – mas também nas zonas rurais. Que mais pode um homem ou uma mulher querer? Trabalhar com alguém. Falamos, portanto, de criação de comunidades. Estes são frequentemente iniciados online (anunciados, nomes e perfis são submetidos), mas a glória coroadora em cada caso é a verdadeira reunião, onde há frequentemente um pouco de ambiente de festa, com petiscos e bebidas.

O cenário inicial e os fóruns de promoção da inovação, em particular, também trabalham com esta forma de comunidade. A rápida difusão de aplicações de reservas como “meet-up” e “Event-Pride” também testemunha isto. Aí, pode inscrever-se sem esforço e – especialmente – inscrever-se com interesses e encontrar a “sua” comunidade. Uma espécie de fusão dos serviços do “LinkedIn” e do “Facebook” com o objectivo declarado de se encontrar fisicamente, ou seja, de forma análoga.

Da vida quotidiana digital ao arrefecimento analógico

O que é feito lá? Em tais reuniões conhece novas pessoas. Como regra e com a maior frequência possível – sempre novas pessoas. Daí os crachás e a cultura “você” generalizada. A ideia é facilitar o contacto. O processo de encontro é o mais simples e livre possível. Uma sala de reuniões é muitas vezes um escritório – um escritório de colaboração, claro. As cadeiras são aí dispostas sem complicações, ou uma sala de um fórum já existente serve como um local de encontro. Por exemplo, um dos muitos centros de impacto – uma rede mundial de incubadoras de inovação onde as pessoas se reúnem, lounge de iniciação, e espaço de reunião existe. Estes são geralmente financiados por fundações, etc. Com o objectivo de utilizar o espaço existente, estes locais podem muitas vezes ser utilizados gratuitamente ou por uma pequena quantia. A regra é que se traga o próprio catering e que o esforço se mantenha pequeno: Os pratos são guardados, o mobiliário é colocado de volta. Tal como no sector privado, normalmente não há taxa de entrada ou esta é mantida baixa. O mínimo de obstáculos possível, o máximo de comunidade possível. Não há nenhum requisito de assistência regular – vem quando está interessado. Os administradores ou moderadores actuam voluntariamente e estes dão uma configuração mínima como um tópico. Abordagem ágil para os participantes – vir, testar, voltar ou não voltar não é problema.

Existem apenas algumas regras, mas estas devem ser seguidas.

  • Todos estão prontos a dar a sua contribuição. Ou seja, um “mostra-se” a si próprio. Pelo menos na medida em que se explique que interesse especial traz a esta noite/almoço/manhã.
  • A participação espontânea é bem-vinda: contribuímos com o nosso próprio conteúdo e experiência. Partilha-se.
  • Uma conversa “principal” ou um contributo leva a uma troca baseada no tema. Estes contributos são normalmente gratuitos.
  • O que é falado é confidencial e tratam-se uns com os outros de uma forma conducente: não se pedem limites e rejeições ou chefia (eu sei melhor), mas troca, abertura para coisas novas, aprendizagem.

X-Dia como formato de conferência

Os X-Days são uma forma especial de reunião análoga da comunidade. Como muito do que estamos a falar aqui, eles tiveram origem no desenvolvimento das TI. No entanto, tornaram-se agora muito mais populares do que isso, mas ainda são muito pouco conhecidos.

Como funciona um X-Day

Anunciar: O convite é o mais amplo possível. Isto é, através de uma unidade ou organização inteira.

Espaço: O espaço de reunião onde começa o Dia X deve ser o maior possível, mas pode ser em grande parte informal. Um foyer, cafetaria com algum espaço serve perfeitamente. Haverá muitas pessoas apenas no início, depois os interessados irão a workshops; aqueles que já o viram irão trabalhar normalmente.

Organização e outros espaços: o que é necessário é uma variedade de lugares onde pequenos grupos se possam encontrar. Estes também podem ser, em grande parte, informais.

Conteúdo: A chave é que praticamente nenhum conteúdo precisa de ser preparado. As pessoas agem rapidamente e de uma forma ágil. As pessoas organizadoras preparam flipcharts ou outros modelos no início (na sala maior) com as salas disponíveis e as horas em que cada workshop deve ser realizado ali. O resto é fácil: todos os participantes que queiram contribuir (partilhar!) escrevem o que querem oferecer e quando. O conteúdo é completamente gratuito. Vão desde a discussão de novo software, a declaração de missão e possíveis novas implementações, até tópicos suaves ou a discussão de passatempos – ou seja, aptidões e paixões especiais. Nos X-Days, há também grupos de teatro de improviso, arranjos de bicicletas juntamente com workshops sobre e-learning, questões de liderança.

Discursos opcionais de entrada ou reuniões de encerramento (com lanches/bebidas) podem formar o quadro.

Para além do intercâmbio diário na companhia, tais formas analógicas formam cada vez mais a base de um convívio familiar, onde as pessoas se mostram, se ajudam mutuamente e aprendem umas com as outras. O objectivo é a apreciação do indivíduo e a criação de valor para todos. Um desenvolvimento agradável no turbilhão da transformação digital. Basta experimentar!

The motto is: we are IN THE CHANCE – BE the change.

Ich begleite Prozesse in Organisationen: mehr Wissen transferieren, Informationen besser streuen, Ablagen optimaler ordnen, mitarbeitende ermächtigen & schulen; Selbstorganisation fördern z.B. mit neuen Entscheidungstechniken und starker Moderation. Gerne vermittle ich auch massgeschneiderte und energetisierende Inputs zur neuen Arbeitswelt. Für die eigenen Laufbahnplanung und zur Förderung der Resilienz stehe ich als aktive Gesprächspartnerin zu Verfügung.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More