A Divisão Pandémica – Tornar as grandes corporações ainda mais poderosas

Porque é que o choque pandémico da COVID-19 vai dividir ainda mais o mundo e porque é que as grandes empresas são as grandes vencedoras

Enquanto o mundo assiste às notícias e espera pelo próximo grande anúncio sobre a crise, todos nós estamos a sofrer um impacto económico que nunca esperámos. A COVID-19 é e será um grande desafio para a maioria das empresas, mas especialmente as grandes empresas bem financiadas poderão ser as grandes vencedoras nesta situação.

Mas porque é que as grandes empresas ganham, enquanto as PMEs estão a perder estas oportunidades? Para isso, temos também de olhar para o processo de como a transformação digital bem sucedida se apresenta. Enquanto as empresas mais pequenas lutam para optimizar os seus processos, para manter os seus empregados de alguma forma empregados e lutar por algum apoio público, a maioria das grandes empresas têm reservas de dinheiro gigantescas. Este desequilíbrio levará a uma grande onda de falências, mas também a um pico nas actividades de fusões e aquisições. 

Vamos primeiro analisar a situação, para compreender o que se está a passar.

The Top Dogs – Poder e reservas de dinheiro para a vitória

Os últimos anos foram bons para muitas empresas. A Apple tem uma reserva de dinheiro de 210 mil milhões de dólares, que é maior do que os pacotes de estímulo da maioria dos países do mundo. Outras empresas têm uma tão boa classificação de crédito, pelo que recebem dinheiro a uma taxa de juro quase nula. Por exemplo, a Johnson & Johnson tem uma melhor classificação de crédito do que o estado do Canadá.

Embora estas reservas também garantam que estas empresas irão sobreviver à crise, elas também lhes permitem estar preparadas para investir mais, tomar mais quotas de mercado e também aumentar as suas actividades de F&A enquanto outras precisam de estar em modo de pânico.

Esta propagação de empresas ricas e empresas mais fracas também foi observada na última crise financeira de 2008. Enquanto as empresas de topo ganharam em acções, o quartil inferior perdeu quase metade do seu valor.

Ao olhar para as reservas globais de dinheiro das empresas (por exemplo top 17 in S&P 500) vs. o seu volume de negócios real, então vê uma imagem muito interessante da razão pela qual estas empresas estão mais do que preparadas para impor a sua estratégia de compra de concorrentes e tirar partido da queda dos preços das acções e do enfraquecimento dos concorrentes.

Sem surpresas, as indústrias mais bem preparadas são a Tecnologia e a Farmacêutica. Elas estão sentadas em pilhas de dinheiro e também são capazes de se movimentarem rapidamente, uma vez que não empregam muitos trabalhadores de colarinho azul. Modelos de negócio digitais de escala rápida, bem como o aumento da procura de fornecimentos farmacêuticos, são a chave do seu sucesso. Portanto, não é surpresa ver que a Amazon está a adicionar mais de 100.000 trabalhadores ao seu pessoal para lidar com o aumento do comércio electrónico. Indústrias como as viagens, eventos e gastronomia estão a ser as mais atingidas. Estas indústrias podem deixar agora muitas lacunas que as grandes corporações irão preencher. (Google, Amazon, etc., quiseram entrar em alguns destes mercados durante anos)

As PME são menos resilientes – A pandemia revela as suas fraquezas

Não só olhando para a situação geral do dinheiro, mas também em alguns outros aspectos, encontramos a razão pela qual a maioria das empresas está a lutar neste momento. A maioria das empresas mais pequenas não conseguiu aproveitar todas as vantagens dos novos modelos de negócio, processos mais eficientes (por exemplo, Digitalização, RPA, etc.) ou também mecanismos financeiros utilizados pelas grandes empresas para alavancar o capital.

Esta crise irá revelar fraquezas nas suas estruturas, modelos de negócio e também modelos operacionais. Especialmente as empresas que perderam partes maiores da era digital, terão agora dificuldade em acompanhar os mercados oligopolistas que se estão a consolidar cada vez mais. Os efeitos de rede são cruciais para as empresas na era digital e isto não é certamente algo fácil de alcançar. Esta situação ganha outra reviravolta: a simples mudança do “escritório normal” para o escritório em casa é uma grande luta para a maioria das empresas mais pequenas, uma vez que não existem infra-estruturas, segurança, ferramentas, etc., para lidar com isto.

Tempos difíceis para o Start-Ups

Embora as empresas mais pequenas ainda possam solicitar alguma ajuda governamental e possam ter algum amortecedor nos seus balanços, as start-ups tipicamente carecem destas qualidades. Para a maioria das empresas em fase de arranque, isto será o fim do seu caminho empresarial. Especialmente aqui também vemos potencialmente um grande pico nas aquisições de empresas maiores em muitos campos, uma vez que as start-ups estão potencialmente mais dispostas a vender rapidamente (antes de falharem) ou os preços das empresas caem subitamente, pelo que uma aquisição é mais fácil de financiar.

Também em tempos de grande incerteza e de baixa procura, muitos empresários vão esperar com as suas ideias. Assim, a actividade global de inovação das empresas em fase de arranque será menor e também menos cheia de riscos do que num ambiente estável. Isto dá às grandes empresas uma vantagem adicional de expandir a sua posição no mercado, saltando os seus concorrentes e empresas em fase de arranque.

Surgirão pressões dos Governos

Salvar empregos será uma das maiores prioridades dos governos para evitar um colapso total do sistema. O aumento da dívida pública e também a incerteza quanto à duração deste impacto económico colocarão muitas empresas sob muita pressão. Especialmente quando as grandes empresas com muitos postos de trabalho se debatem com dificuldades, é geralmente que os governos permitem fusões e aquisições que normalmente não eram possíveis devido a preocupações antitrust no mercado. Quando estas fronteiras estão a cair, então vemos potencialmente novos gigantes da indústria e situações de monopólio decorrentes deste abrandamento económico.

E como a maior parte do estímulo económico provém do dept para as empresas, isto irá acrescentar uma camada extra de pressão sobre as empresas com finanças menos estáveis e já com maus balanços. Especialmente se o cash-flow já era baixo para as empresas antes, este dept pode arriscar todo o negócio. Margens baixas combinadas com elevados reembolsos podem ser uma combinação potencialmente perigosa.

O veredicto?

A resistência das empresas de topo a esta crise será um grande factor de crescimento para a maioria destas empresas. O custo do capital é mais baixo, margens mais altas à medida que os concorrentes falham, ganham mais confiança com os seus fornecedores (o risco de falência é menor – por isso os preços de aquisição caem) e têm dinheiro suficiente para investir enquanto outras precisam de deter ou mesmo desinvestir.  

Mas nem tudo vai pelo “Top Dog’s Way”. A pressão social e as preocupações com a desigualdade já estão a aumentar. Assim como a pressão social também irá aumentar. As preocupações contra estes gigantes da indústria estão a alimentar os movimentos dos meios de comunicação social e finalmente estão também a levar à mudança do comportamento dos clientes. Isto pode tornar mais difícil para as grandes empresas aproveitarem plenamente as suas vantagens desta crise, mas a avaliação final só pode ser feita após a passagem do vírus e alguns anos de negócios normais.

A COVID-19 terá uma grande capacidade de mudar aspectos chave da nossa vida social, desenvolvimento económico, mas também terá um grande impacto nas estruturas das empresas globais.

CEO & Founder of MoreThanDigital. Serial entrepreneur since he successfully founded his first companies at the age of 13. He has always questioned the "status quo" and is committed to innovation, disruption and new ideas. As International keynote speaker, consultant for companies and governments & states, lecturer and published digital transformation expert, Benjamin tries to advance the topics of digitalization, digital transformation and innovation internationally.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

MoreThanDigital Newsletter
Subscribe
Join the #bethechange community
close-image