Insights Banner

Aprender em vez de ensinar – os papéis estão a mudar no sistema escolar

Educação 4.0 - Teses e tópicos sobre a transformação digital das escolas

A digitalização está a mudar a nossa aprendizagem, bem como o nosso sistema escolar. Como serão os papéis no futuro e para onde vai o sistema escolar como resultado da digitalização?

Algo básico de antemão

A escola é um reflexo da sociedade ou a sociedade é afinal um reflexo da escola? Nesta questão, é como uma galinha e um ovo, porque, por um lado, a escola é moldada por muitas partes da sociedade, e por outro lado, estas partes em si são originárias do sistema escolar. Esta simbiose só por si legitima a mudança tenaz e morosa. A escola é uma construção criada artificialmente e, pelo menos de um ponto de vista biológico e histórico, surgiu no último segundo da humanidade. Em grande parte, é um resquício da industrialização e certamente que o serviu. E embora saibamos que muitas destas estruturas rígidas já não existirão nas futuras formas de sociedade e no mundo do trabalho, esta construção tem-se mantido praticamente inalterada até hoje e agarrámo-nos a ela durante vários séculos, na crença errada de que pode fazer justiça a todos. A escola é apenas uma instituição, na verdade trata-se do que deve ter espaço e tempo, da aprendizagem.

6 teses sobre digitalização nas escolas

As oportunidades apresentadas pela digitalização e, acima de tudo, os processos de transformação resultantes para uma mudança na aprendizagem e no sistema educativo são inúmeras. A gama de tópicos é tão grande que se pode e se preenche livros com ela. A entrada de pesquisa “escola de digitalização” na NZZ e FaZ gera cerca de 180 artigos nos últimos 365 dias (a partir de 1 de Agosto de 2019). Só nestes dois jornais, foi publicado um artigo sobre o tema da digitalização nas escolas em cerca de dias alternados no ano passado. Nenhum tema tirou as escolas tanto do seu sono profundo como a digitalização ou a transformação digital. Isto mostra claramente que não nos podemos esconder desta mudança, que não nos podemos fechar na cave e esperar que ela passe e que tudo seja o mesmo depois. Gostaria, portanto, de começar por colocar provocadoramente 6 teses. O meu objectivo não é prová-los, porque isso não seria possível. São afirmações sobre o futuro da escola e da aprendizagem. Pretende-se, portanto, que sejam provocadores de pensamento de uma forma irritante.

Agora, antes de ir directo ao assunto, as teses prometidas. Eles são fundamentais. Eles podem prejudicar a nossa ideia de escola. Podem não ser lidos com prazer por muitos olhos. Podem parecer proféticos para alguns, mas penso que são evidentes:

  1. Na digitalização, a escola é o subsistema mais importante que se deve transformar, mas o último que se vai transformar.
  2. Tudo o que pode ser digitalizado será digitalizado – incluindo as escolas.
  3. A escola, tal como a conhecemos hoje, acabará com ela própria.
  4. A digitalização não é novidade, de alguma forma existe há décadas.
  5. A digitalização nunca está terminada – a escola nunca está terminada.
  6. Mudança através da digitalização significa mudança de tudo, incluindo a escola.

A fim de lidar com as teses acima listadas, as escolas devem mudar radicalmente. Isto parece complexo e, à primeira vista, cria frequentemente medo em muitos que estão envolvidos na escola. No processo de transformação, porém, não é a agitação em si que constitui o problema, mas a nossa própria atitude de pensar e agir de ontem, bem como a falta de coragem para sair da zona de conforto seguro e confortável.

Mas em que medida é que a transformação digital muda o sistema escolar ou que exigências coloca ao sistema escolar? Vamos concentrar-nos nas sub-áreas, superfícies e padrões da escola juntos e transformá-los corajosamente com as possibilidades da digitalização, sem perder de vista o panorama geral e “visionando” o futuro.

Aprender em vez de ensinar – os papéis estão a mudar

As crianças do jardim de infância que hoje têm quatro anos de idade ainda estarão activas no mundo do trabalho de amanhã, quando o século XXI chegar ao fim. Quase todos os empregos terão mudado até lá, muitos desaparecerão, outros serão criados, que nem sequer podemos começar a imaginar agora. É tempo de começar a pensar no que devemos dar a estes jovens para o seu futuro. Como devem mudar os papéis dos professores e dos alunos?

Responsável significa ser capaz de entregar conscientemente a responsabilidade

Os professores serão agora substituídos…por robôs? Sim, serão substituídos, estou certo disso…mas não por robôs, mas sim por pessoas que dominaram o manuseamento e utilização sensata dos meios de comunicação e tecnologias inteligentes, e que podem integrar formas contemporâneas de aprendizagem e trabalho em espaços de aprendizagem concebidos abertamente. Resta saber como a profissão destas pessoas será titulada no futuro. Muitas das tarefas diárias dos futuros professores, especialmente as centralizadas, analíticas, administrativas e burocráticas, podem já ser feitas hoje através de tecnologias inteligentes. No futuro, a formação universitária de professores centrar-se-á mais no desenvolvimento de atitudes e valores pessoais, bem como na ciência da aprendizagem e psicologia comportamental, neurologia e novas formas de trabalho, e não na metodologia isolada e didáctica da disciplina. Os educadores tornam-se treinadores em estudos intrínsecos (Campus Intrínseco) e apoiam crianças e jovens no desenvolvimento da curiosidade, no desenvolvimento da personalidade e acompanham-nos em processos de aprendizagem exploratórios rumo ao seu objectivo pessoal. São especialistas na aprendizagem, trabalham consistentemente orientados para a competência e vêem-se como parte de uma equipa que quer fazer justiça aos estudantes. Estão constantemente a desenvolver a sua instituição de ensino, em rede entre especialistas, mesmo para além das fronteiras do edifício escolar.

Isto exige que nós, educadores, sejamos capazes de renunciar conscientemente à responsabilidade e de confiar mais nas nossas crianças e jovens, para que eles confiem em si próprios para se manterem constantemente ágeis. A relação entre os dois é crucial e decisiva para o processo de aprendizagem. Assim, estas relações de aprendizagem podem também desenvolver-se entre as próprias crianças e os jovens (aprendizagem entre pares). Por conseguinte, no futuro, professores e alunos irão trabalhar em diálogo quem aprende com quem, quando, onde, o quê e com que objectivo. Os limites de idade, os tipos de escola e as classes já não fazem, portanto, sentido. As escolas são organizadas de uma forma mais ágil e flexível. No entanto, abordarei esta questão nos artigos seguintes.

Currículo segue a Paixão – A aprendizagem só funciona intrinsecamente

Como é que o papel do aluno está a mudar? Se a escola deixar de ser uma escola, o aluno também deixará de ser um aluno. A clara selecção e normalização do actual sistema escolar promove a integração e desenvolvimento dos indivíduos apenas em poucas facetas, mas infelizmente em muitas estruturas a normalização do ser humano bem como a separação dos grupos de acordo com o princípio da realização. Desta forma, a escola cria uma imagem artificial da sociedade. A singularidade, diversidade e individualidade de cada pessoa que aprende será decisiva para o processo dinâmico de aprendizagem do aprendente no futuro. Inúmeros wikis, páginas de aprendizagem e vídeos apoiarão os estudantes em cenários de aprendizagem personalizados e adaptados, em percursos de aprendizagem individualizados e com objectivos de aprendizagem pessoais. Um currículo de tamanho único torna-se assim obsoleto a longo prazo. O lema é: “O Currículo segue a Paixão”. Os horários uniformes e os cânones dos temas já não fazem justiça aos alunos e não estão orientados para os ritmos de aprendizagem do indivíduo.

O aprendiz, com a sua paixão e curiosidade, está no centro. Eles decidem por si próprios, mas sempre com apoio e orientação pedagógica, onde colocar ênfase temática e profundidade de conteúdo na sua aprendizagem. Intrinsecamente motivados, tematicamente fascinados. O talento e o fascínio são encorajados. O conteúdo é parcialmente pesquisado, consolidado e repetido de forma independente. Além disso, o foco da aprendizagem desloca-se para competências interdisciplinares e soft skills. As crianças aprendem principalmente como aprender e não como ser ensinadas. Plataformas de aprendizagem personalizadas fornecem uma visão geral e feedback para o professor, mas também para os educadores e pais que o acompanham.

Na escola do futuro, a digitalização apoia professores e alunos no caminho da padronização, uniformidade e selecção até à personalização, agilidade, dinâmica, e integração.

Philipp Zimmer ist Schulleiter und Schulentwickler. Er wirkte massgebend an der Entwicklung mehrerer Schulkonzepte mit. Dabei entstanden digitale Lernplattformen, die massgeschneiderte Tagesabläufe und Lernwege für Schülerinnen und Schüler ermöglichen. Er beschäftigt sich intensiv mit digitalen Transformationsprozessen im Bildungsbereich sowie zeitgemässen und zukunftsfähigen Lernkulturen.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. AcceptRead More