Software as a Service (SaaS) – Foco no valor acrescentado

Porque é que o software empresarial da nuvem está em ascensão

As ofertas de software como serviço (SaaS) são hoje em dia quase indispensáveis. Explicamos o que é e como funciona a abordagem SaaS.

As ofertas de software como serviço (SaaS) têm vindo a ganhar terreno há já algum tempo, tanto em uso privado como num contexto empresarial. Este desenvolvimento já não pode ser interrompido, e entretanto tudo aponta para o facto de que nós, como empresas ou utilizadores privados, iremos obter e utilizar praticamente todas as aplicações de software “como um serviço” e, portanto, da nuvem num futuro previsível, e por uma boa razão.

Mas o que significa exactamente “Software as a Service”? E quais são as vantagens em comparação com os métodos de utilização mais tradicionais? É exactamente isso que queremos ver mais de perto no que se segue.

SaaS – magia do navegador

Antes de mais, a utilização de Software como Serviço significa que eu, como consumidor ou cliente empresarial, licencio uma solução de software como serviço durante um determinado período de tempo e, consequentemente, a solução correspondente é disponibilizada aos utilizadores finais através da Internet ou através de um browser de Internet quando necessário (“on demand”). Assim – em contraste com a utilização tradicional de aplicações de software – o software já não é instalado localmente no dispositivo final, mas os utilizadores podem aceder à aplicação web a partir de quase qualquer dispositivo final em qualquer altura através de um browser.

Como cliente empresarial, não tenho de me preocupar com o alojamento, operação e implementação, e o fornecedor é também responsável pelo desenvolvimento contínuo (novas funções) e actualizações (por exemplo, patches de segurança).

Um novo tipo de relação com o cliente

Esta configuração dá origem a algumas características especiais relativamente à relação entre o fornecedor de software e o cliente. Devido ao esforço de implementação geralmente baixo, muitas soluções podem ser activadas e utilizadas como as chamadas “soluções de self-service”, ou seja, através de uma simples encomenda na Internet – semelhante a uma loja na Internet. Isto elimina a necessidade de contacto directo com um representante de vendas, o que, no entanto, também requer mais independência e uma comparação preliminar entre fornecedores por parte do cliente.

Por outro lado, devido à solução alojada pelo próprio fornecedor, existe um canal de comunicação adicional e muito directo entre ambas as partes. Assim, chats, mensagens de erro e mensagens de actualização podem cada vez mais ser chamados directamente na própria solução de software – como consumidor, sou assim constantemente informado sobre inovações e posso dar feedback directo ao fornecedor ou fazer perguntas.

Além disso, os fornecedores SaaS são frequentemente muito afins quando se trata de marketing e fornecem regularmente aos clientes informações via e-mail e outros canais. No caso de soluções maiores, têm mesmo os seus próprios “gestores de sucesso” (Success manager) que cuidam do bem-estar e das necessidades do cliente; como o nome sugere, querem fazer com que os seus clientes tenham sucesso e, claro, aumentar as vendas dos clientes ao mesmo tempo.

Custos contínuos em vez de elevados investimentos pontuais

O modelo de custos também difere das práticas anteriores. Em vez de elevados custos únicos de aquisição de licenças de compra, os fornecedores de Software como Serviço dependem geralmente de custos recorrentes e, portanto, planificáveis. Para o cliente, isto significa que ele paga – geralmente mais barato – montantes mensais enquanto quiser utilizar a solução.

Se o contrato for rescindido (o que normalmente é possível a curto prazo), não são incorridos mais custos, mas o direito de utilizar a respectiva solução de software expira, o cliente fica mais ou menos bloqueado fora da aplicação que tem vindo a utilizar até agora e normalmente também perde todos os seus dados. Mas é claro que quase todos os fornecedores oferecem a possibilidade de exportar ou fazer cópias de segurança dos dados durante o período de cancelamento restante.

Vantagens para o cliente

Para os clientes, o conceito de Software como Serviço oferece inúmeras vantagens. O argumento mais importante para o sucesso continuado deste tipo de utilização de software é o enfoque no valor acrescentado real. Os clientes podem concentrar-se no seu negócio principal em que a solução de software os apoia (por exemplo, nas áreas de marketing, gestão de projectos, recursos humanos ou CRM) e “desperdiçar” nenhum recurso no alojamento ou operação da solução ou actualizações correspondentes – muitas vezes até o apoio ao utilizador final pode ser subcontratado ao fornecedor. Ao mesmo tempo, isto significa que soluções de software complexas podem ser utilizadas mesmo sem conhecimentos informáticos e recursos correspondentes.

Além disso, as empresas clientes têm outras vantagens. Por exemplo, os já mencionados custos de entrada mais baixos – nomeadamente as taxas de licença na sua maioria mensais e, se aplicável, uma taxa de instalação controlável – que andam a par com uma prontidão de utilização mais rápida da solução escolhida após a decisão de compra. Estas taxas mensais de licenças são mais fáceis de financiar, especialmente para as empresas mais pequenas, do que para os investimentos pontuais mais antigos.

Além disso, os utilizadores beneficiam de uma escalabilidade mais fácil do Software como solução de Serviço. Mais empregados? Mais dados? Mais clientes? Mais funções? Tudo sem problemas, no pior dos casos os custos mensais aumentam em conformidade.

No final, as aplicações de software moderno convencem geralmente com simplicidade e design apelativo e são comparáveis a aplicações conhecidas do ambiente privado como a Airbnb, Uber, Google Drive e outras. Isto significa que os utilizadores finais da sua própria empresa irão dominar o novo software dentro de muito pouco tempo e, idealmente, também gostarão de trabalhar com ele. Esta é também a razão pela qual a “TI sombra” está a florescer, especialmente em empresas maiores, ou seja, os empregados utilizam soluções SaaS de forma independente para contornar os sistemas estabelecidos, complicados e muitas vezes menos intuitivos.

Nem todas as soluções SaaS são as mesmas

Contudo, tudo isto não significa que a utilização da próxima melhor solução SaaS seja uma garantia de sucesso. É claro que mesmo as soluções de software modernas ainda diferem significativamente em termos de alcance funcional, qualidade, usabilidade e preço. Isto significa que, como cliente empresarial, não há forma de contornar uma análise e comparação de requisitos limpos de aplicações adequadas. Factores como as pessoas de contacto regionais podem também ainda desempenhar um papel – muitos clientes ainda se sentem seguros ao baterem à porta de um fornecedor próximo em caso de necessidade, em vez de terem de confiar no correio electrónico e no telefone e possivelmente terem de lidar com fusos horários diferentes.

Por este motivo, dedicaremos um dos nossos próximos artigos precisamente ao tema da análise de requisitos e selecção de fornecedores.

Lauri Kurki hat mehr als 10 Jahre Erfahrung in den Bereichen Consulting, agiler Softwareentwicklung und Produktmanagement. Er ist derzeit Produktmanager für Cloud Services und Software as a Service bei Swisscom. Zuvor war er als Portfolio- und Produktmanager verantwortlich für weltweit genutzte Softwarelösungen in den Bereichen Digital Marketing, Marketing Automation und Human Resources.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Request Free Early Access

Join our waitlist and be the first one to see the powerful Insights Platform live.

You have successfully entered the waitlist!