Escala de Inteligência Artificial (IA) – 4 Razões para as Pessoas e Capacitação

O guia para colmatar a lacuna de competências nos negócios

Os dados têm sido chamados o recurso mais valioso do novo mundo. No entanto, em última análise, as pessoas são essenciais para derivar valor dos dados e aplicá-los de forma inovadora.
Os líderes reconhecem que os avanços na automatização inteligente e na inteligência artificial terão um impacto significativo na força de trabalho. E que precisam de investir em talentos que compreendam a intersecção de dados e algoritmos e o seu impacto nos fluxos de trabalho. Este artigo destaca as estratégias que terão o maior impacto no preenchimento das lacunas de competências organizacionais.

Penso que já todos ouvimos a expressão de que os dados são o recurso mais valioso no novo mundo, e as organizações têm toneladas deles.

A maioria das organizações já é capaz de processos básicos de inteligência empresarial (BI). Utilizam alguns painéis de análise ou, pelo menos, folhas de Excel. Eu diria que cerca de metade deles estão a subir a curva de maturidade, e a maioria é capaz de analisar dados ad-hoc.

As empresas estão a amadurecer na área da utilização de dados, mas ainda estão a lutar para integrar e escalar a ciência dos dados, a análise avançada (AA) e a inteligência artificial (IA) na tomada de decisões quotidianas em tempo real. A prova de conceito após a prova de conceito está a ser conduzida, mas a percepção do valor dos seus investimentos em IA e Aprendizagem Mecânica (ML) não se está a materializar. E com isso, infelizmente, a maioria das organizações não são capazes de obter os conhecimentos que realmente procuram a partir da utilização de dados.

Quatro razões pelas quais as organizações lutam com a utilização de dados:

  1. Não se pode ter acesso aos seus dados.
  2. Eles não têm as ferramentas ou infra-estruturas adequadas.
  3. Eles não têm o talento certo.
  4. Falta-lhes a metodologia correcta, um quadro comum e formas comuns de trabalho.

A disponibilidade e qualidade da mão-de-obra qualificada estão em risco

Os dados foram chamados o novo recurso natural. Um artigo no The Economist chega ao ponto de dizer que substituiu o petróleo como o recurso mais valioso do mundo.

No entanto, em última análise, as pessoas estão no centro dos negócios – e sem pessoas talentosas e inovadoras, o poder dos dados fica por utilizar. Por outras palavras, as pessoas são essenciais para derivar valor dos dados e aplicá-los de forma inovadora.

É por isso que, neste artigo, gostaria de começar por dar uma vista de olhos mais atenta ao “talento certo” para escalar a utilização de dados.

Já hoje, as empresas estão a lutar para encontrar trabalhadores qualificados. Esta escassez só deverá aumentar. Até 2030, a escassez global de talentos poderá atingir mais de 85 milhões de pessoas. Isto não é uma escassez de trabalhadores – mas uma escassez de trabalhadores com as competências certas.

À medida que a tecnologia avança, 100% dos empregos, 100% das profissões e 100% das indústrias irão mudar. Assim, nos próximos anos, cerca de 120 milhões de pessoas em dez das maiores economias do mundo precisarão de requalificações.

As organizações sabem que precisam de agir, mas será que sabem por onde começar?

Muitas empresas dizem-me que precisam de mais especialistas em ciência de dados. Mas creio que precisamos de abordar as coisas. Já definiu na sua empresa que competências vai precisar para o futuro e de quantas pessoas vai precisar com essas competências? Quando tivermos essa pergunta respondida, poderemos descobrir o que fazer e como construir ou comprar essas competências.

Sabemos que não existem competências suficientes no mercado para as comprar de forma contínua. Assim, na sua maioria, temos de adoptar a abordagem de reconversão profissional para o futuro.

Automatização assistida por IA: Uma oportunidade e um desafio

Não há como negar que a automação inteligente terá um enorme impacto nos trabalhadores. Com base num estudo de país global realizado em 2018, estima-se que até 60 milhões de trabalhadores nas 12 maiores economias do mundo poderiam ser reduzidos ou transferidos para outras funções só nos próximos três anos pelos empregadores.

Ao mesmo tempo, as empresas podem apoiar os seus empregados com a utilização de soluções de automação inteligente para reduzir um pouco o seu défice de competências.

Os sistemas de IA aplicados aos RH, por exemplo, também podem ajudar a reduzir a rotatividade dos funcionários, tornar os processos de contratação mais eficientes e atractivos, e recomendar e planear medidas de reciclagem – personalizadas para o funcionário.

Colmatar o fosso de competências: estratégias e recomendações

Resolver o problema das competências não é tarefa fácil. A nível empresarial, as organizações precisam de assumir um papel de liderança que vá para além do recrutamento e das iniciativas tradicionais de formação e se comprometa a uma exploração estratégica e contínua de novos caminhos.

Identifique as competências-chave necessárias para o sucesso e alinhe a sua estratégia de competências futuras ao longo de todo o ciclo de vida do funcionário – desde o recrutamento à formação de equipas, aprendizagem, coaching de carreira, compensação e retenção.

A IA pode ajudar a permitir a transparência e a personalização de competências em todo o ecossistema de aprendizagem alargado. A análise pode mostrar visibilidade na distribuição de competências, tendências, e futuras lacunas de competências.

Dentro da organização, criar equipas ágeis com conjuntos heterogéneos de competências para permitir a inovação peer-to-peer baseada na experiência e criar uma cultura onde a aprendizagem se torna uma parte essencial do trabalho. Criar oportunidades de partilha de empregos e mobilidade interna que se concentrem no desenvolvimento de competências.

Alavancar iniciativas tais como cursos em linha abertos massivos, escolas de código, e redes de conhecimento da indústria. Aplique IA à fonte e harmonize os recursos educativos mais relevantes para os seus alunos.

E por último, mas não menos importante: Torne-o pessoal

A personalização tornou-se parte da vida quotidiana no mundo do consumo. Os empregados esperam a mesma experiência personalizada no seu ambiente de trabalho. Os empregados querem carreiras, aptidões e aprendizagem que sejam adaptadas às suas experiências, objectivos e interesses. Ao permitir-lhes fazer exactamente isso, as organizações são capazes de colocar os seus empregados onde possam acrescentar mais valor à organização.

Investir em talentos que compreendam a intersecção de dados e algoritmos e o seu impacto nos fluxos de trabalho. As pessoas são essenciais para criar valor a partir de dados e aplicá-los de forma inovadora.

Britta Daffner ist seit über einem Jahrzehnt in der Technologie- und Daten-Industrie zu Hause. Ihr Credo: Innovation und Digitalisierung von Unternehmen vorantreiben – durch Technologie und moderne Führung. Dafür befähigt sie als Practice Leader Data & Technology Transformation in IBM Firmen dabei, das volle Potential aus Daten zu nutzen und unterstützt als Coach Macher*innen, die in der Konzern- und Wirtschaftswelt etwas verändern wollen. 2021 erschien zudem ihr Buch „Die Disruptions-DNA“ (www.disruptionsdna.de), das dazu inspiriert, die Digitale Transformation aktiv mitzugestalten.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More