O que é o Metaverso? – Definição, Introdução e Casos de Utilização

Todos falam do metaverso como o próximo passo evolutivo da Internet - mas o que é isso?

O que é o Metaverso? Por que razão deve compreendê-lo, e que casos de utilização tem o Metaverso? Aqui a Introdução e explicação da próxima evolução da Internet.

Após a mudança do nome do Facebook para Meta, houve um novo hype em torno da palavra “Metaverso”, mas ninguém sabe realmente o que significava. De facto, há muitos anos que existem muitas especulações sobre a forma como a Internet e as tecnologias evoluem. Referimo-nos geralmente à Web1, Web2, Web3 etc. quando falamos de diferentes passos evolutivos da Internet, e agora temos o metaverso em discussão.

Mas deixemos as definições para trás e imaginemos algo: Imagine que pode criar o seu alter-ego perfeito num mundo virtual em que controla todos os aspectos. Pode fazer o que quiser, pode possuir o que quiser, e tem possibilidades quase ilimitadas.

Tal cenário foi frequentemente retratado em alguns filmes ou séries de ficção científica. Mas em breve poderá tornar-se realidade, uma vez que existe um grande hype no mundo dos negócios em redor, tornando cada camada, tecnologia e protocolo prontos para criar “O Metaverso”.

O que é o Metaverso?

O metaverso é uma rede massivamente escalável e persistente de mundos virtuais interligados, centrada na interacção em tempo real onde as pessoas podem trabalhar, interagir socialmente, transaccionar, brincar e até criar. Utiliza tecnologias e virtualização avançadas (AR, VR, Haptic Sensors, etc.) para imergir totalmente o utilizador no mundo virtual. Isto significa que o utilizador pode interagir ao vivo com um mundo que está sempre lá, e pode sempre aceder sempre que quiser.

Muitos defensores acreditam que a versão futurista perfeita de “O Metaverso” haveria uma única plataforma onde teria a sua persona, a sua identidade e serviços de plataforma ligados, sob os quais muitos mundos são criados onde se pode ter acesso. Como um mundo com muitos sub-mundos aos quais pode aderir, sair ou mesmo criar. Factores importantes continuam a ser a existência de uma definição de identidade digital, propriedade digital, moedas digitais e a possibilidade de transferência universal de bens digitais – permitindo assim uma economia em pleno funcionamento num mundo virtual.

Desta forma o metaverso poderia substituir vários aspectos de como o turismo funciona, o que significa ir a um concerto, como descobrir exposições de arte, mas especialmente também como as pessoas aprendem, estudam, interagem e até encontram amigos.

Evolução da Web 1, Web2, Web3 para o Metaverso

Embora não haja um consentimento claro sobre as definições da Web3 e a diferença do Metaverso, há muita discussão. Muitos entusiastas da criptografia gostam de acreditar que a criptografia é a próxima fase da Internet, enquanto outros argumentam que após a interacção social baseada na Web2 veremos o salto para a Internet imersiva chamada “Metaverso”. Até agora, não está claro onde definir o corte e onde diferenciar, mas a discussão continuará se a Web3 é criptográfica e bloqueadora ou Internet imersiva com mundos virtuais.

Exemplos do Metaverso

Neste momento não há exemplo de uma grande metáfora. Diferentes empresas, especialmente estúdios de jogos, afirmam que criaram um metaverso.

  • Meta Horizon Worlds – O Facebook lançou um ambiente de sala de reuniões virtual que pode ser acedido através dos auscultadores Oculus VR de propriedade da empresa e dos Horizon Worlds. Permite interagir com pares em salas de reuniões virtuais com o seu próprio avatar, mas no futuro deverá ser também a base para mais ofertas vindas da Oculus e Meta.
  • Microsoft Mesh Platform – A Microsoft está também a empurrar para o espaço da realidade mista e alargada (XR). Por conseguinte, estão a tentar lançar elementos de realidade mista nas Equipas em 2022. Isto deverá permitir que avatares e hologramas possam estar em eventos, reuniões e até usá-lo no futuro para experiências de retalho e jogos.
  • Roblox – Roblox começou como um mundo de jogos onde pode criar os seus próprios jogos como utilizador e dar aos outros acesso aos mesmos. Após a OPI, estão mais empenhados em criar o seu próprio metaverso. Em conjunto com marcas como Vans e Gucci, oferecem agora também autorizações exclusivas para comprar para o seu “eu” virtual.
  • Minecraft – Mais de 140 milhões de utilizadores jogam regularmente o Lego como o Minecraft do mundo dos jogos. A empresa foi comprada à Microsoft, onde os jogadores criam o seu personagem, uma criação de mundos virtuais ilimitados por conta própria, incluindo activos digitais e muito mais.
  • Second Life – Já fundada em 2003, foi uma das primeiras realidades virtuais em que o jogador podia criar uma identidade própria num mundo virtual. Após muitos anos de desenvolvimento, Second Life está agora também a expandir-se com mercados próprios, bens digitais e muito mais.

6 Fundamentos do Metaverso

Antes de aprofundarmos os detalhes tecnológicos, vamos examinar que tipo de elementos e fundações diferentes precisam de estar no lugar para permitir uma metaverse. Criar um mundo virtual onde se possa controlar todos os aspectos e também sentir que se está directamente neste mundo tem muitos desafios.

Hardware & Infra-estrutura

Devido à enorme quantidade de dados, processamento 3D e também interacção ao vivo, existe uma enorme necessidade da infra-estrutura informática correcta. Isto inclui tecnologias de rede de 5G e futuras redes 6G, computação em nuvem e hardware de virtualização super especializado com desenvolvimento de GPU, TPU e CPU para os requisitos de hardware do lado do servidor.

A segunda parte é o lado do consumidor, onde o hardware especial é necessário para a experiência imersiva. São necessários óculos inteligentes de realidade virtual e aumentada, dispositivos de feedback táctil (luvas, suites, etc.) e até telemóveis com melhores poderes de processamento.

Ferramentas e Normas

Para tornar o metaverso realmente interactivo, é necessário que existam normas e conjuntos de ferramentas comuns. Isto inclui linguagens informáticas, ferramentas de desenho fáceis de utilizar, motores 3D comummente utilizados, normas VR/AR/XR, normas de mercado de activos, protocolos de transferência, normas de segurança, mas também normas mais tecnológicas como a cartografia geoespacial.

Pagamento e Transacções

Um aspecto importante de cada metaverso é um ecossistema funcional. Para que isto funcione, é necessário encontrar um modo universal de transacção e pagamento. Isto tem desafios a vários níveis, uma vez que cada ecossistema pode ter os seus próprios modos de pagamento, transacção e torna então difícil ligar mundos diferentes em conjunto.

Quadros e Regras Regulamentares

Tal como no mundo real, precisamos de quadros regulamentares e de regras sociais em vigor. A gestão e aplicação destas regras num mundo virtual poderia ser um dos maiores desafios a resolver. Para que os utilizadores se sintam seguros, precisamos de pensar em regras globais e mesmo em leis que governem o mundo virtual.

Gestão da Identidade e Avatares

Um mundo virtual com uma identidade virtual pode soar bem, mas para garantir que também é seguro e não um mundo “fora-da-lei”, também a verificação da identidade real é uma obrigação. Para que isto aconteça em muitos mundos, teria de haver um protocolo comum e algo como uma meta-identidade que possa ser ligada aos próprios avatares e, portanto, ser capaz de utilizar avatares e identidades em muitos mundos virtuais.

Ecossistema Virtual

A fim de fazer funcionar diferentes casos de utilização, também é necessário que exista um ecossistema económico digital funcional. Desde redes de anúncios, a lojas, empregos virtuais e pagamento de jogos, Interacções Sociais, eSports e até compras online. A criação deste universo económico é muito importante para incentivar mais utilizadores e empresas a participar, criar e partilhar.

Casos de utilização do Metaverso

Já vimos antes, que a maioria das plataformas que são criadas e chamadas “metaverse” estão neste momento centradas em eventos virtuais, reuniões virtuais e especialmente jogos. Mas há muitos casos de utilização para mundos virtuais e é mais do que um mero hype.

Plataforma de Interacção Social

Tal como o Second Life, é possível interagir em conjunto e criar as interacções sociais através da imersão. Os utilizadores podem ver os outros através de salas e mundos virtuais, interagir uns com os outros, e também ter encontros sociais. Esta abordagem leva os meios de comunicação social para o nível seguinte, uma vez que passa da partilha assíncrona de informação para uma combinação de interacção (ao vivo) assíncrona e síncrona.

Jogos de vídeo imersivos

Um caso de grande utilidade é também, naturalmente, a criação de jogos de vídeo imersivos. Basta pensar em “Sims” consigo como uma personagem real nele. Pode jogar em obras virtuais, criar a sua própria viagem, jogar através das suas buscas pessoais e muito mais. A tecnologia VR, incluindo o feedback háptico, permitirá experiências ainda mais profundas onde poderá sentir o ambiente e muito mais.

Mercados Digitais & Modelos de Negócios Digitais

Como mencionado anteriormente, é importante ter um mercado funcional e um ecossistema económico. Isto também permitiria criar mercados totalmente digitais e transacções puramente digitais no metaverso. Os leilões poderiam ser realizados a partir de qualquer parte do mundo, todos teriam acesso a toda a arte que desejassem e muito mais. Basta pensar na possibilidade de entrar na loja Web da Amazon e experimentar os Produtos lá como se estivessem à sua frente.

Isto permitiria também novos modelos de negócios digitais disruptivos que vislumbrariam um mundo totalmente digital e a monitarização destes mundos digitais.

Locais de Arte e Cultura

A Corona trouxe-nos muitos eventos virtuais e trouxe muito do mundo da arte em linha. Mas que tal ter concertos virtuais, onde não se pode apenas olhar para um fluxo de vídeo mas estar lá, interagir com pessoas e também conhecer pessoas online enquanto se está a olhar para a arte ou a ouvir música? Criar equivalentes digitais de eventos, museus ou exposições de arte online pode dar a muito mais pessoas em todo o mundo a possibilidade de consumir arte e cultura de uma forma completamente nova. Ver a Mona Lisa nos arredores de um Louvre digital – não apenas a partir de uma fotografia na Internet.

Criações artísticas digitais

Roblox e Minecraft são grandes exemplos de como os utilizadores podem usar um universo virtual para construir o próprio mundo. Dar ao utilizador a liberdade de moldar, formar e criar mundos como ele gosta pode dar liberdade de criação a muito mais pessoas. As NFTs podem desempenhar um papel maior num ambiente como este, bem como as pessoas querem possuir também arte criada digitalmente.

Espaços de Trabalho Aumentados e Virtuais

Em vez de ver as pessoas num ecrã com alguns blocos de vídeo, poderia ser possível estar na mesma sala virtual, fazer brainstorming, escrever num quadro branco e até mudar a sala de acordo com as suas necessidades. Espaços de trabalho aumentados combinariam estas características, permitindo que as pessoas participassem virtualmente numa reunião física. Isto significaria que teria hologramas na sala, experimentaria as pessoas e os avatares ao mesmo tempo e seria capaz de interagir como se estivesse lá.

Viagens virtuais e turismo

Que tal viajar pelo mundo sem nunca sair da sala de estar? Em tempos em que viajar é restrito e as alterações climáticas como um problema premente, pode ser uma opção interessante criar mundos virtuais. Imagine ambientes de jogo onde as pessoas experimentam os Alpes suíços, escalando os Himalaias ou caminhando por conta própria através do mercado de Istambul. Em mundos virtuais seria mesmo possível visitar outros planetas, mundos virtuais como o Senhor dos Anéis ou muitos outros lugares que talvez não possamos imaginar hoje em dia.

Educação e Escolas

E que tal uma aula escolar virtual? Muros interactivos, jogos educativos, experiências virtuais e muito mais? Especialmente para a educação e as escolas, um mundo interactivo pode ser um grande trunfo. Quando ensinamos sobre o nosso sistema solar, seria literalmente possível estar fora no espaço, fazer zoom para planetas, e obter dados sobre eles apenas clicando virtualmente sobre eles. Quanto mais divertido for interagir com o seu ambiente de aprendizagem, mais fácil é para as crianças aprenderem. O metaverso poderia ser também uma mudança de jogo para as zonas rurais ou lugares remotos, desde que tenham internet, poderiam estar a receber a mesma educação de elite que os outros.

Críticas ao Metaverso

Tudo soa potencialmente como alguma ficção científica demasiado tímida e há também muitas vozes por aí que a vêem de forma mais crítica e salientam que nós, como humanos, não estamos preparados para criar tais mundos virtuais. O metaverso tem vários problemas graves que precisam de ser resolvidos para que se torne um lugar seguro.

Privacidade, uso da informação, preocupações de saúde mental e também implicações sociais do mundo real são apenas alguns exemplos das muitas áreas de preocupação. Imagine só se alguém tem uma vida melhor em linha do que na vida real, porque quereria viver no mundo real, namorar no mundo real, ter filhos, arranjar um emprego na vida real, etc. – Já existem algumas séries e filmes que abordam estas questões que o mundo virtual pode tornar-se mais interessante do que o mundo real.

Outra questão também vem ao efeito “o vencedor leva tudo” e ao poder que poderia dar a uma única empresa. Isto significa que literalmente uma empresa poderia ter o poder de criar um mundo virtual com as suas próprias leis, com um ecossistema económico próprio, com identidades próprias e fugindo às regras e à governação do mundo real. Como deve uma empresa deste tipo ser tratada? E quanto aos impostos? E quanto às implicações económicas do mundo real?

Conclusão sobre o Metaverso

O metaverso é um próximo passo lógico da Internet. Desde os primeiros tempos em que só se podia ler a informação existente até à era das redes sociais e da economia dos criadores até à imersão do mundo virtual no nosso próprio mundo. A direcção da Internet e da era da informação é clara, veremos mundos virtuais a surgir e os utilizadores a mergulharem nesses mundos.

Nós, como sociedade, ainda temos muitas preocupações a resolver, pois a interacção social, a economia digital e também a ilusão dos mundos virtuais perfeitos terão muitas implicações na nossa vida física quotidiana.

O desenvolvimento de metaverses está ainda na sua infância, mas com desenvolvimentos acelerados, milhares de milhões a serem investidos neste espaço e um enorme empurrão devido à COVID, será em breve uma parte maior na nossa vida. Até Bill Gates estima que dentro de apenas alguns anos, a maior parte do trabalho e das reuniões será feita no metaverso em vez de salas de reuniões físicas e viagens de negócios.

Veremos que tipo de metaverso tomará as massas e se posicionará para criar o tão necessário efeito de rede. O mercado é todo sobre “o vencedor leva tudo” e o metaverso poderá ser o maior exemplo de um ecossistema digital.

CEO & Founder of MoreThanDigital. Serial entrepreneur since he successfully founded his first companies at the age of 13. He has always questioned the "status quo" and is committed to innovation, disruption and new ideas. As International keynote speaker, consultant for companies and governments & states, lecturer and published digital transformation expert, Benjamin tries to advance the topics of digitalization, digital transformation and innovation internationally.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Request Free Early Access

Join our waitlist and be the first one to see the powerful Insights Platform live.

You have successfully entered the waitlist!